0

Atelier Livre traz arte para o fisl11

22 jul 2010
10h14
atualizado em 24/7/2010 às 17h48
  • separator
  • comentários
Rafael Maia
Direto de Porto Alegre

Esqueça o estereótipo dos afcionados pelo mundo digital e deixe de lado toda a frieza da técnica das peças eletrônicas. O Atelier Livre, uma das novidades do fisl11, veio para mostrar que existe, sim, um espaço para a arte dentro do mundo cibernético.

O fórum não criou o projeto, mas foi ele quem agregou diversas iniciativas que entendiam que há um valor social e artístico por de trás do aparato tecnológico.

Oriel Frigo, 23 anos, organizador do Atelier, conta que o espaço destinado a eles dentro do fisl11 é o da experimentação. Oriel pertence ao grupo MuSA - Multimídia, Sistema e Artes - da cidade de Joinvilleem Santa Catarina. O convite para participar do fórum, em Porto Alegre, surgiu pelos trabalhos que o grupo apresentou no Festival de Robótica Livre, em edições anteriores do fisl.

Um dos projetos de que o grupo mais se orgulha é a planta robótica PhytoKetiné . A estrutura sobre a qual o vegetal se encontra é munida de sensores de umidade e de luz. A planta, então, torna-se um agente autônomo, procurando sozinha por luminosidade. O site da iniciativa, que pode ser acessado pelo endereço musa.cc possui um vídeo que mostra a experiência posta em prática.

A diretriz artística do Atelier, no entanto, não apaga a preocupação social. Para André Luiz Ferreira, 31 anos, participante do projeto encabeçado pelo colégio Marista da cidade gaúcha de Santa Maria, a arte que faz é mais do que uma simples brincadeira. "Para pessoas que não tiveram condições de estudo, este trabalho significa também geração de renda e aprendizagem", explicou.

Em Santa Maria, quando ações especiais da polícia recolhem máquinas caça-níquel, elas são entregues para ele e sua equipe. Com as peças, eles montam novos brinquedos eletrônicos e até mesmo computadores e instalam neles o software livre para distribuição em comunidades carentes.

No fisl, uma bancada cheia de sucatas convida os visitantes a brincar com o material e experimentar. Scratcher feito a partir de um disco rígido, por exemplo, é um dos trabalhos já realizados.

O espaço do Atelier Livre no fisl11 é também um espaço para a liberdade da imaginação.

Redação Terra

compartilhe

publicidade
publicidade