0

Brasil perde até US$ 8 bilhões com ataques cibernéticos

9 jun 2014
09h24
atualizado às 09h25
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
<p>O prejuízo com os crimes cibernéticos no Brasil equivale a 0,32% do PIB ou quase dois terços do lucro da Petrobrás em 2013</p>
O prejuízo com os crimes cibernéticos no Brasil equivale a 0,32% do PIB ou quase dois terços do lucro da Petrobrás em 2013
Foto: Pawel Kopczynski / Reuters

O Brasil sofreu uma perda entre US$ 7 bilhões (R$ 15 bilhões) e US$ 8 bilhões (R$ 18 bilhões) em 2013 com ataques de hackers, roubos de senha, clonagem de cartões, pirataria virtual, espionagem industrial, espionagem governamental e outros crimes digitais. O relatório mundial feito pela empresa de segurança McAffe mostra pela primeira vez que o Brasil vem se tornando alvo das máfias cibernéticas internacionais que comercializam os dados roubados na “Deepweb” – o lado escuro da internet – informa o jornal Folha de S.Paulo.

O prejuízo com os crimes cibernéticos no Brasil equivale a 0,32% do PIB do País ou quase dois terços do lucro da Petrobrás em 2013. No mundo, esses prejuízos atingiram entre US$ 375 bilhões e US$ 575 bilhões, isso inclui não só a perda com os ataques, mas também a recuperação dos dados. A Alemanha lidera entre os países das maiores perdas global com 1,6% de seu PIB, seguido da Holanda com 1,5%. Estados Unidos (0,64%) e China (0,63%) tiveram perdas de menos de 1%.

Quando o assunto é confiabilidade dos dados, os chineses são um dos mais confiáveis do mundo. As informações são reunidas e divulgadas pelo governo de Pequim, mostrando a China como outra “vítima” deste mercado criminoso digital, diz José Matias, diretor da McAffe. No caso do Brasil, o executivo afirma que os dados brasileiros e que eles “devem ser bem maiores”, por não haver regras que incentivem a contabilização e a divulgação dos ataques.

Terra Antivírus Terra Antivírus
Proteja-se de ameaças e rastreie seu aparelho em caso de perda ou roubo. Assine já: planos com a qualidade McAfee a partir de apenas R$ 14,90/mês

Veja também:

Por que o Facebook bloqueou conteúdos na Austrália?
Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade