Tecnologia

publicidade
28 de janeiro de 2014 • 11h04

Campus Party: aplicativos brasileiros buscam melhorar vida nas cidades

Participantes apresentam aplicativos sobre transporte público e prevenção de desastres naturais em competição do maior evento de inovação tecnológica do mundo. Sétima edição no Brasil aposta em empreendedorismo.

Três projetos brasileiros são finalistas do desafio Smart Cities FI-WARE, que busca soluções na Internet para problemas urbanos durante a Campus Party, o maior festival de inovação tecnológica, internet e entretenimento eletrônico do planeta e que acontece no mundo todo.

Os participantes desta competição do evento apresentaram aplicativos sobre transporte público, prevenção e gestão de desastres naturais e psicologia ambiental. A final será realizada nô próximo sábado, um dia antes do encerramento da sétima edição da Campus Party Brasil no Anhembi Parque, na zona norte da cidade de São Paulo.

As 40 equipes que participam do desafio Smart Cities FI-WARE serão julgadas por uma comissão de especialistas e concorrem a 400 mil euros em prêmios. Um dos finalistas, a startup VM9, de Nova Friburgo, no Estado do Rio de Janeiro, criou o aplicativo FI Guardian, que funciona como um sistema de alerta contra desastres naturais – neste caso específico, o alerta é contra chuvas e deslizamentos de terra.

A ideia surgiu em 2011, depois Nova Friburgo foi palco de uma das maiores tragédias naturais do Brasil com uma enchente que causou mais de 900 mortes. O aplicativo reúne informações de diversas fontes, como institutos de meteorologia e órgãos governamentais, o sobre clima, o volume de chuvas e dos rios.

Caso as condições sejam de risco, o FI Guardian aciona sirenes móveis e envia mensagens para os celulares dos cidadãos cadastrados. "Ele também é capaz emitir um comando de voz, com orientações, no telefone de um morador de área de risco", explica Marcos Marconi, de 46 anos, engenheiro de sistemas e um dos desenvolvedores do projeto.

O aplicativo também prevê a opção do usuário enviar um pedido de socorro e os dados, já com a localização da pessoa em um mapa, aparecem para as autoridades. "Com isso é possível racionalizar o atendimento, porque, nestes momentos, o serviço 199 [(úmero de telefone da Defesa Civil) fica completamente congestionado", conta Marconi.

Transporte público
Outro aplicativo brasileiro que está na disputa do prêmio foi desenvolvido pela startup carioca Eyllo. A plataforma, apelidada de Paprika, será usada para apresentar informações do transporte público, já disponíveis ao público, em uma interface prática. "Basta apontar o celular para o ponto de ônibus e aparecem as linhas e os horários", conta Enylton Machado, de 43 anos, um dos responsáveis pela ideia.

Ele ressalta que o aplicativo deve ser expandido para englobar outros serviços como restaurantes, hotéis, pontos turísticos e outros. "Teremos vários canais de interesse do usuário. Ele vai selecionar o que deseja e a informação aparecerá na tela", diz Enylton. O aplicativo trabalha com realidade aumentada, isto é, uma informação que é adicionada, neste caso, sobre a cidade. "É uma mistura do virtual e do real", afirma.

Sentimentos sobre a cidade
Outro finalista da competição é o grupo La Urbo, que criou um aplicativo para informar os sentimentos dos cidadãos a respeito de pontos dentro das cidades. "Se um bairro é perigoso, as pessoas sentem medo. Se é sujo, sentem nojo", explica um dos desenvolvedores, Daniel Lima. O objetivo, segundo ele, é que o poder público possa usar os resultados para melhorar a qualidade de vida dos moradores.

No aplicativo, há dez opções de sentimentos negativos e dez positivos. "Funciona um pouco como o (aplicativo gratuito de localização) Foursquare: você dá 'check-in' em um lugar e classifica as suas emoções", diz Daniel.

Ele afirma que o aplicativo permite gerar relatórios e estatísticas geolocalizadas sobre a satisfação dos moradores com os serviços da cidade, como o transporte público, por exemplo. Além disso, as informações podem ser filtradas de acordo com gênero e idade para preferências de um público mais específico. Até agora, São Paulo e Brasília foram as cidades escolhidas para os protótipos do aplicativo La Urbo (que significa "a cidade" em esperanto).

Comissão Europeia
Os desafios Smart Cities e Smart Business & Industry são promovidos pelo programa FI-PPP, uma parceria público-privada criada em 2011 entre a Comissão Europeia e empresas do chamado Velho Continente, baseada no conceito de Internet do Futuro. "Muitas das inovações em termos de aplicativos parecem vir atualmente dos Estados Unidos. Por isso, o FI-PPP visa recolocar a Europa para competir neste mercado da Internet", afirma Carlos Ralli, líder de disseminação do FI-WARE, principal plataforma da iniciativa.

Ele explica que o objetivo do desafio é divulgar o FI-WARE, de uso gratuito e de código aberto, para os desenvolvedores. Por isso, os competidores devem criar seus aplicativos usando a plataforma de software, que se executa na nuvem (princípio pelo qual se pode acessar informações de qualquer lugar do mundo pela internet, sem necessidade de instalação de programas ou armazenamento de dados).

"Temos componentes poderosos que facilitam o desenvolvimento de aplicativos", garante Carlos Ralli. Ele acrescenta que o FI-WARE também disponibiliza informações de acesso público formatadas para a programação: "Alguns dados que os governos abrem não são vistos pelos cidadãos porque são difíceis de encontrar. Então nós reunimos as informações e os desenvolvedores fazem os aplicativos para os usuários", explica.

De acordo com Carlos Ralli, a Comissão Europeia investiu 300 milhões de euros no programa. Ele acrescenta que há uma tentativa de aproximar a plataforma dos desenvolvedores na América Latina. "Pretendemos instalar um centro de processamento de dados FI-WARE na região para oferecer um serviço melhor e mais rápido", diz.

Campus Party
Para Carlos Ralli, a Campus Party é o veículo ideal para se comunicar com os futuros desenvolvedores de aplicativos de internet. Daniel Lima, do projeto La Urbo, acredita que o evento é uma grande oportunidade de colocar em prática e experimentar novas tecnologias.

O evento foi criado na Espanha em 1997 e, desde então, já foram realizadas edições na Colômbia, México e Equador, além de edições especiais na América Latina e Europa.

Este ano o festival tem como foco o empreendedorismo e espera receber oito mil campuseiros, como são conhecidos os participantes do evento que acampam no Anhembi, e 160 mil visitantes.

Confira 10 destaques da programação da Campus Party:

Dia 28 (terça-feira)
Bruce Dickinson
Horário: 13:00 – 14:00
Onde: Palco Principal 
Palestrante: empreendedor, piloto e vocalista do Iron Maiden, Bruce Dickinson fará comentários sobre empreendedorismo e da criatividade empresarial. 

Dia 29 (quarta-feira)
Millennials: Empreendedores por Natureza 
Horário: 11:15 – 12:15
Onde: Palco Principal 
Palestrante: Lourenço Bustani é sócio-fundador e CEO Global da Mandalah. Formado em Relações Internacionais e Ciência Política pela Universidade da Pensilvânia, ele foi selecionado pela revista americana Fast Company uma das 100 pessoas mais criativas no mundo dos negócios.

Dia 30 (quinta-feira)
A startup de cem anos - Ken Gullicksen
Horário: 11:15 – 12:30
Onde: Palco Principal 
Palestrante: Ken Gullicksen, COO na Evernote, é um executivo de tecnologia envolvido na formação e desenvolvimento de várias empresas no Vale do Silício. Ele falará sobre a Evernote, aplicativo que tem o objetivo de ajudar as pessoas a lembrarem de tudo. Uma de suas maiores ambições é continuar a ser uma startup quando tiver 100 anos.

Do Youtube para o Youtuber - Segredos que todo vlogger sempre quis saber
Horário: 14:30 – 15:30
Onde: Palco Gutenberg 
Palestrante: o gerente de parcerias estratégicas do Youtube, Federico Goldenberg, explicará macetes como parceria e monetização, para quem busca explorar melhor as ferramentas do site e até ganhar dinheiro com os vídeos. 

Dia 31 (sexta-feira)
Marcelo Ballona
Horário: 13:00 – 14:00
Onde: Palco Principal 
Palestrante: Marcelo Ballona foi co-fundador do Submarino – a primeira startup a ter abertura de capital na Bovespa (atualmente agrupado na B2W). Esteve nos últimos anos em Miami, participando de startups na América Latina, Brasil, Europa e Ásia. 

Dia 1 (sábado)
Dilma Bolada e a Internet
Horário: 14:30 – 15:30
Onde: Palco Stadium 
Palestrante: Jef Monteiro, criador do perfil Dilma Bolada, que tem 160 mil seguidores no twitter e 560 mil curtidas no Facebook. Ele falará sobre a personagem, seu relacionamento com a internet e expor as suas opiniões sobre liberdade de expressão.

Desfile de Cosplay 
Horário: 17:00 – 18:30
Onde: Palco Michelangelo
Campuseiros poderão mostrar seu talento em caracterizações de personagens. Haverá debate sobre o universo cosplay e desfile dos melhores.

Campeonatos de Games
A disputa de Starcraft II contará com 28 jogadores, com a grande decisão no dia 1, às 19h. Os campeonatos de StarCraft II distribuirão um total de US$ 25 mil em prêmios. Dos participantes, 12 irão garantir seus lugares antes do torneio e 16 irão competir por mais 4 lugares na semifinal. Os campeonatos de StarCraft II distribuirão um total de US$ 25 mil em prêmios.

Workshops
São três grupos definidos de workshops nas seguintes áreas: Robótica e Modding, vídeo, foto, design e games, Desenvolvimento e ao Software Livre.

Campeonato de robôs
Até às 22h de 30 de janeiro, qualquer grupo ou pessoa poderá inscrever seu robô caseiro para uma disputa. Na área de Workshop I (palco Galileu), serão anunciados até 20 projetos finalistas que serão apresentados 31 de janeiro das 20h30 às 22h30 para a avaliação final. Os vencedores ganharão kits completos para a próxima Campus Party.

Serviço
Data: 27 de janeiro a 02 de fevereiro de 2014
Local: Anhembi Parque - Avenida Olavo Fontoura, 1209 - São Paulo - SP
Horários: 
- Arena (para campuseiros e credenciados): 27/01 às 12h à 2/02 às 12h
- Open Campus (área gratuita): de 28/01 à 1/02, todos os dias entre 10h e 21h

Deutsche Welle Deutsche Welle