0

Banda larga móvel chega a 10,5 milhões no Brasil

10 mar 2010
11h39
atualizado às 19h17
  • separator

Em janeiro de 2010, ocorreram 10,5 milhões de acessos via banda larga móvel no Brasil, de acordo com a nova edição do Balanço da Banda Larga Móvel, divulgada pela fabricante de equipamentos de telecom Huawei nesta quarta-feira. Do total, 7,6 milhões são acessos via celular e 2,9 milhões por modems.

» EUA estudam oferecer serviço de banda larga sem fio gratuita
» Siga o Terra no Twitter

O levantamento da Huawei estima que já em 2010 o número de acessos em banda larga móvel vai ultrapassar os acessos por banda larga fixa, com uma previsão de 15 milhões de acessos móveis contra 14 milhões fixos. Entretanto, a densidade de acessos por 100 habitantes está abaixo da média mundial, com 6 acessos no Brasil (7,1 no mundo) para banda larga fixa e 3,6 acessos móveis (9,5 no mundo) para banda larga móvel.

O acesso móvel está disponível para 12,8% dos municípios brasileiros, cobrindo 64,6% da população. Em 2013, esse número deve atingir 69% da população e 19% dos municípios. Apenas 25% da população brasileira é atendida pelas quatro principais operadoras, e até abril todas as capitais de estado e cidades com 500 mil habitantes terão essa cobertura das quatro operadoras (Claro, Vivo, Tim e Oi).

O estudo também avaliou o preço de aparelhos 3G e GSM. O telefone 3G mais caro à venda no Brasil hoje é o HTC Touch Diamond, que custa R$ 3.499. O aparelho GSM mais caro é o ELEF Touché, que sai por R$ 1.899, segundo a Huawei. O telefone 3G mais barato é o LG KF390, que sai por R$ 199, contra o GSM mais barato, o Samsung E1117, que custa R$ 49.

A Huawei avalia que o preço dos telefones ainda é uma barreira para a adoção da banda larga móvel, e que os aparelhos pós-pagos são mais baratos do que os pré-pagos graças ao subsídio das operadoras. Em outro exemplo, o Nokia 5800 custa R$ 1.439 em um plano pré-pago e chega a R$ 549 em um plano pós-pago mensal de R$ 350. Na Argentina, esse mesmo aparelho sai por R$ 581 em modo pré-pago.

Veja também:

Por que o Facebook bloqueou conteúdos na Austrália?
Fonte: Zumo Notícias
publicidade