Celular

publicidade
16 de agosto de 2012 • 11h37 • atualizado às 14h00

Chineses lançam celular mais poderoso e mais barato que iPhone

Na China, smartphones locais mais baratos desafiam a Apple

MI2 tem especificações superiores às do iPhone 4S, da Apple, e está à venda por menos de metade do preço
Foto: Reuters
 

No florescente mercado de smartphones da China, que neste ano deve superar o dos Estados Unidos como maior do mundo, diversas empresas locais pouco conhecidas estão se preparando para tirar participação de mercado da gigante norte-americana Apple e seu iPhone, por meio de modelos de baixo preço.

No mais recente desafio local ao iPhone, a Xiaomi Technology lançou na quinta-feira o sucessor de seu popular modelo MiOne (MI). O MI2 tem especificações superiores às do iPhone 4S e está à venda por menos de metade de seu preço.

Os celulares inteligentes da Xiaomi - fundada apenas dois anos atrás mas estimada com avaliação de mercado já superior à da Research In Motion, fabricante do BlackBerry - se provaram tão populares que os estoques costumam se esgotar em minutos, quando eles são colocados à venda online.

A empresa, fundada por Lei Jun, seu presidente-executivo, anunciou no mês passado que sua receita no primeiro semestre havia chegado perto de US$ 1 bilhão, com a venda de mais de três milhões de celulares.

Espelhando a conferência anual da Apple para os criadores de software, a WWDC, na qual os fãs da companhia pagavam para ouvir Steve Jobs apresentando novos produtos, Lei cobrou 199 yuan (US$ 31,30) dos usuários interessados em comparecer ao lançamento do novo aparelho, em Pequim, doando os proventos para caridade. O evento foi assistido por mais de mil pessoas.

Embora as vendas do iPhone devam crescer na China, a participação de mercado da Apple pode se estagnar ou até cair, porque as mudanças na demografia do mercado significam que o iPhone só floresce em algumas das cidades chinesas mais ricas, dizem analistas.

O grupo de pesquisa IDC estima que em 2012, na China, celulares inteligentes com preço inferior a 200 dólares responderam por 40% dos embarques, enquanto os aparelhos com preço de US$ 700 ou mais responderam por 11% do mercado.

"A faixa de preço acessível na China fica entre os 800 e 1,5 mil yuan (US$ 130 a US$ 240 dólares)", disse Michael Clendenin, diretor executivo da RedTech Advisors, uma consultoria de Pequim. "O 'lao bai xing', o homem das ruas, opta por esses celulares de categoria média".

Li Xing, 35, elogiando a qualidade do sinal do celular Xiaomi no evento de lançamento, disse que "prefiro não usar a Apple porque não quero que meu celular seja um produto de luxo. É só um telefone".

O MI2, que chega ao mercado em outubro por 1.999 yuan (US$ 310) tem processador quad-core, câmera de oito megapixels e um sistema de comando por voz como o Siri, da Apple.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.