Celular

publicidade
02 de maio de 2012 • 11h05

Nokia e Carl Zeiss fecham acordo por câmeras e prometem lançamento

Smartphone com câmera de 41 megapixels deve ser lançado neste mês
Foto: ZTOP

A Nokia e a fabricante de lentes Carl Zeiss fecharam acordo exclusivo para fabricação de celulares fotográficos de alto valor agregado e anunciaram que um novo modelo, mais avançado, seria lançado este mês.

Compare os megapixels de smartphones top de linha

As companhias anunciaram na quarta-feira que o acordo será válido por diversos anos, sendo que a Nokia espera que ele ajude a empresa a concorrer de forma mais efetiva com fabricantes rivais de smartphones como a Apple. Francisco Jeronimo, analista da IDC, disse que o acordo é positivo para a fabricante finlandesa de celulares, considerando que as câmeras vêm desempenhando papel cada vez mais importante nos smartphones.

"Os fabricantes continuarão a melhorar as câmeras, com resolução mais alta, foco melhor e diversos outros recursos que diferenciarão seus aparelhos em um mercado movimentado em que todos os celulares inteligentes dotados de telas de toque parecem iguais", afirmou.

A Nokia também informou que seu primeiro modelo usando a nova tecnologia de câmeras PureView chegará ao mercado este mês. O modelo usa um sensor Carl Zeiss de 41 megapixels, significativamente mais poderoso que os empregados nas câmeras avançadas usadas por fotógrafos profissionais.

Analistas afirmaram que o novo modelo pode enfrentar dificuldade de vendas porque será lançado com o velho sistema operacional Symbian, que a Nokia está aposentando, ainda que a empresa planeje adotar essa tecnologia de câmera para os novos modelos equipados com o Windows Phone, no futuro.

"Vamos continuar a desenvolver o PureView para nossos futuros celulares inteligentes", disse Joi Harlow, vice-presidente de produtos inteligentes na Nokia.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.