0

Ex-presidente da Nintendo, Hiroshi Yamauchi morre aos 85 anos

19 set 2013
09h24
atualizado às 09h48
  • separator
  • comentários

Hiroshi Yamauchi, o homem que transformou a Nintendo em uma gigante do videogame , morreu nesta quinta aos 85 anos. Um porta-voz da Nintendo disse à BBC News que a companhia está  de luto pela "perda do ex-presidente da Nintendo, Hiroshi Yamauchi, que infelizmente faleceu esta manhã."

<p>Hiroshi Yamauchi foi presidente de 1949 at&eacute; 2002</p>
Hiroshi Yamauchi foi presidente de 1949 até 2002
Foto: Reprodução

Yamauchi foi o terceiro sucessor no negócio familiar fundado na antiga capital japonesa de Kyoto, em 1889, como uma fábrica de jogos de carta, e foi o presidente da empresa de 1949 a 2002. Ele continuou como conselheiro da companhia até a morte.

Sob sua liderança, a Nintendo desenvolveu os console NES e o videogame portátil Game Boy, que apontaram tendências numa indústria dominado nos últimos anos pelos modelos Nintendo Wii, Playstation, da Sony, e Xbox, da Microsoft.

Yamauchi continuou como presidente da Nintendo ao longo dos seus anos dourados, um período que viu o lançamento da série Game & Watch, o NES, Game Boy, o SNES, o N64, e, finalmente, o GameCube. Após o lançamento do console, em grande parte mal sucedido, que foi o primeiro console da Nintendo para jogar jogos através de um disco óptico, Yamauchi deixou o cargo de presidente em 31 de maio de 2002, para ser substituído pelo atual presidente da Nintendo, Satoru Iwata

Yamauchi foi listado pela revista Forbes como o homem mais rico do Japão há apenas cinco anos, quando a Nintendo estava em alta com o lançamento do Wii, que lançou os controles com sensor de movimento. Desde então o patrimônio da companhia encolheu, com a migração dos usuários para os smartphones. Na época, a riqueza do empresário foi estimada em US$ 7,8 bilhões de dólares.

Ele ficou na 13º colocação na última lista da Forbes para o Japão divulgada este ano, com um patrimônio líquido estimado em US$ 2,1 bilhões.

As informações são do The Verge e da agência Reuters.

Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade