0

Fundador da McAfee foge armado "como um mercenário", diz site

18 nov 2012
18h02
atualizado às 18h06

O programador e fundador da empresa fabricante de antivírus McAfee, John Mcafee, carrega pistolas consigo pelas ruas de Belize "como um mercenário" enquanto foge da polícia por suspeita de homicídio, segundo o jornal El País. O empresário é o principal suspeito de assassinar o expatriado americano Gregory Faull, seu vizinho, que morreu após levar um tiro na cabeça no dia 10 de novembro. Belize é um país situado na costa nordeste da América Central, vizinho ao México e à Guatemala, que se tornou independente do Reino Unido em 1981.

John McAfee, principal suspeito de assassinar o vizinho Gregory Faull, foge da polícia desde o último domingo
John McAfee, principal suspeito de assassinar o vizinho Gregory Faull, foge da polícia desde o último domingo
Foto: Reuters

O El País menciona a incoerência entre a situação atual do fundador da empresa de segurança digital e sua busca pelo equilíbrio interior com a prática de ioga. Ter autocontrole, falar a verdade, nada de violência, roubo ou possessividade estão entre os yamas (regras) do ioga, e motivaram um guia espiritual escrito por John Mcafee baseado nesses princípios. Hoje, ele afirma que tentará fugir da polícia pelo tempo que for possível.

O empresário se mudou para Belize em busca de um antibiótico natural que utilize como matéria-prima as plantas encontradas no país. Ele busca a cura perfeita. Para a polícia, porém, o que Mcafee estava fabricando é metanfetamina - e, para tanto, estariam sendo aproveitadas as instalações de sua última empresa, um laboratório chamado QuorumEx, informou o jornal espanhol. A polícia insiste em que deseja apenas interrogá-lo sobre o caso, enquanto o programador acredita que está sendo perseguido.

Moradores da área não identificados afirmaram que Faull e Mcafee tiveram divergências nos últimos meses, a última das quais por causa dos mais de 10 cachorros que o milionário tem na residência. Os vizinhos também afirmaram ao site que Mcafee tinha um comportamento cada vez mais imprevisível e que permanecia afastado da comunidade de expatriados em Belize.

"Não falarei sob nenhuma circunstância com a polícia deste país", declarou o empresário à revista Wired na segunda-feira. "Podem pensar que sou paranoico dizendo isto, mas querem me matar. Há meses estão tentando me pegar. Querem que eu fique calado. Não agrado ao primeiro-ministro (de Belize, Dean Oliver Barrow). Sou uma pedra no sapato de todo mundo", disse. Segundo Mcafee, ele está 'na mira' das autoridades desde que se negou a fazer uma contribuição a um político local.

Mcafee vendeu a empresa que fundou em 2010 por US$ 7,68 bilhões para a Intel e não tem mais participação na companhia. Ele criou a fabricante de antivírus em 1980. Em abril deste ano, ele teve sua casa em Belize invadida por policiais, que encontraram um laboratório de química, US$ 20 mil e um estoque de armas de fogo.

Fonte: Terra
publicidade