2 eventos ao vivo

Amazon lança navegador Silk com acelerador via nuvem

28 set 2011
14h03
atualizado às 14h39
  • separator

Na conferência de imprensa em anunciou quatro novos dispositivos Kindle, a Amazon lançou também seu próprio navegador para dispositivos móveis, o Silk, que tem o desempenho acelerado graças à nuvem. O software é chamado de "navegador bipartido", porque tem suas funcionalidades executadas parte pelo disco do aparelho móvel - inicialmente, o Kindle Fire - e parte pelo Amazon Web Services (AWS), serviço da empresa na nuvem.

Funções de acesso à internet são divididas entre navegador e serviço de cloud computing
Funções de acesso à internet são divididas entre navegador e serviço de cloud computing
Foto: Amazon/YouTube / Reprodução

Segundo a gigante de varejo online, a cada página que o usuário acessa na internet, o programa avalia quais componentes vão rodar no dispositivo e quais vão usar recursos da cloud. O processo leva em consideração o tipo de site que está sendo aberto, as condições da conexão - que, no Kindle Fire, é Wi-Fi e gratuita -, além de arquivos que já estejam disponíveis no aparelho ou no serviço virtual.

De acordo com a Amazon, as páginas na web têm, em média, 80 arquivos associados, localizados em cerca de 13 domínios diferentes. Estes arquivos precisariam ser baixados um a um, uma vez que poucos, de acordo com a empresa do CEO Jeff Bezos, podem ser obtidos simultaneamente. A consequência é o tempo de espera para que o site seja completamente carregado.

O Amazon Elastic Compute Cloud (EC2), parte do (AWS), estaria permanentemente conectado aos principais servidores da internet, e teria "à mão" os arquivos de que as páginas vão necessitar, diminuindo o tempo de carregamento. Os números citados são de 100 milissegundos para que um browser móvel comum consiga ir até o servidor e voltar com os arquivos. O EC2, segundo a Amazon, conseguiria completar a operação em cinco milissegundos.

Outra consequência do processo do browser bipartido seria a possibilidade de realizar mais atividades online, uma vez que o navegador não chega a estourar sua capacidade limitada de funcionamento, já que uma parte do trabalho é transferida para nuvem. A vida útil da bateria teria ganho também, de acordo com a fabricante do Silk, já que o esforço do aparelho é menor.

A companhia de Bezos destaca, ainda, que o tempo gasto para iniciar o processo de conexão entre o browser e o servidor da página de internet não existe no navegador do Kindle Fire, uma vez que o programa está "permanentemente conectado ao EC2, e pronto para começar a carregar o próximo site".

O navegador bipartido também otimiza o tempo de espera do usuário utilizando algoritmos desenvolvidos pela empresa para recursos presentes no site da Amazon, como o "quem comprou isso também comprou aquilo" exibido para usuários que fazem buscas por produtos. Na conexão à internet, isso significa que a companhia consegue mapear padrões de navegação e deixar pré-carregados os conteúdos mais acessados. O exemplo citado é o de usuários que acessam um site de notícias determinado: se o sistema percebe que 85% dos visitantes clicam na manchete do site, o EC2 pode já baixar os arquivos referentes à página e entregá-los com vais velocidade ao usuário.

O nome Silk (seda, em inglês) é "inspirado na conexão quase invisível, porém extremamente forte, entre duas coisas diferentes", uma metáfora para a ligação entre o browser do Kindle Fire e o serviço de computação em nuvem da Amazon.

Veja também:

Veja como funciona a Bixby, assistente de voz da Samsung
Fonte: Terra
publicidade