PUBLICIDADE

CES 2014: Intel lança computador do tamanho de um cartão SD

CEO da empresa, Brian Krzanich, também anunciou que os novos processadores rodarão Windows e Android

7 jan 2014 09h17
| atualizado às 09h22
ver comentários
Publicidade

CEO da Intel, Brian Krzanich apresenta um novo computador pessoal no tamanho de um cartão SD, durante a CES 2014, em Las Vegas
CEO da Intel, Brian Krzanich apresenta um novo computador pessoal no tamanho de um cartão SD, durante a CES 2014, em Las Vegas
Foto: Reuters
O CEO da empresa, Brian Krzanich, apresentou na CES 2014, feira de tecnologia que ocorre em Las Vegas, nos EUA, até o próximo dia 10, o Edison, computador do tamanho de um cartão SD, construído sobre a tecnologia de transistor de 22nm e alimentado pelo novo processador baseado na tecnologia da Intel Quark. O Edsion roda Linux, tem Wi -Fi e conectividade Bluetooth, segundo a empresa. De acordo com o site Engadget , Krzanich espera que o Edison seja usado para construir a próxima geração de dispositivos portáteis.

Segundo revelou Brian Krzanich, o Edison é da classe Pentium e a Intel tem inclusive uma loja de aplicações para este novo equipamento, esperando que este seja um dos gadgets de 2014.

Dual OS, processadores da Intel rodarão Windows e Android
Dual OS, processadores da Intel rodarão Windows e Android
Foto: Reuters
Além disso, Brian anunciou que seus novos processadores poderão alternar entre os sistemas Windows e Android. O gadget, conhecido internamente como Dual OS, seria um notebook que rodaria inicialmente o  Windows 8. Dentro dele, seria possível executar o Android, por meio de “técnicas de virtualização”.

Smartwach
Brian Krzanich disse ainda que a Intel está desenvolvendo seu próprio relógio inteligente, de olho no mercado wearable. Ao contrário de seus concorrentes, o dispositivo não precisa ser amarrado a um smartphone para funcionar, uma vez que tem a sua própria conectividade. Ele também possui geofencing, permitindo-lhe dar as notificações utente com base na localização.

A empresa comunicou também que não pretende usar mais minerais provenientes de regiões devastadas pela guerra para produzir seus processadores. Durante a palestra na CES, Brian Krzanich apresentou um vídeo discutindo os minerais necessários para produzir os chips e como eles são obtidos. A empresa pagou uma atenção especial para a República Democrática do Congo, um país cuja sangrenta guerra perpétua , financiado pela venda de diamantes e metais essenciais como estanho e tungstênio, afirmou milhões de vidas nos últimos 15 anos. Intel encerrou a apresentação sobre a difícil questão de como resolver este problema de toda a indústria , e comprometeu-se a tentar mudar o curso de uma forma significativa.

Com informações do The Verge

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade