Hardware e Software

publicidade
25 de junho de 2012 • 10h29 • atualizado às 10h33

Jovens "gênios" se destacam na criação de tecnologia

O desenvolvedor Nick D'Aloisio, 16 anos, atraiu US$ 250 mil em financiamento inicial para o aplicativo de buscas Summly, criado por ele
Foto: Hubert Burda Media / Flickr / Reprodução

Não é novidade que crianças e adolescente assimilam as novas tecnologias com extrema agilidade, fazendo jus ao título de nativos digitais. Mas muita gente com menos de 18 anos de idade já está indo além e botando a mão na massa para criar seus próprios produtos e, em alguns casos, ganhando um bom dinheiro com isso. E com as ferramentas para desenvolvimento cada vez mais acessíveis, este grupo está em plena ascensão.

Comprova a tendência, por exemplo, o fato de que grandes eventos de tecnologia e inovação vêm dando mais atenção a estes talentos precoces. Em fevereiro deste ano, a Campus Party, maior encontro de cultura digital do mundo, apresentou, em sua edição brasileira, painel com o chileno Sebastián Alegria, 15 anos. Aos 14, ele criou um alerta de terremotos via Twitter. "O que eu quero mostrar é que não é preciso dinheiro para ter algo criativo e que possa ajudar as pessoas", declarou ele durante a demonstração de sua invenção.

Mais recentemente, a Apple abriu pela primeira vez as portas de sua conferência de desenvolvedores, a Worldwide Developers Conference (WWDC), para criadores com menos de 18 anos. Entre os participantes estavam o norte-americano Paul Donahoo, 13 anos, e o inglês Nick D'Aloisio, 16, que já arrecadaram quantias na casa dos milhares e centenas de milhares de dólares, respectivamente, com aplicativos projetados por eles.

O programa disseminador de ideias TEDx também inclui "pequenas-grandes" mentes criativas em seus diálogos, como fez com Thomas Suarez, em um TEDx Manhattan Beach, no ano passado. Em 2010, aos 12 anos, Suarez criou seu primeiro aplicativo. Hoje, o menino já tem até sua própria empresa de desenvolvimento, a CarrotCorp.

Também em 2010, o brasileiro Pedro Franceschi, então com 13 anos, foi painelista do TEDxSudeste - falando justamente de sua afinidade com tecnologia e de como ele desbloqueou diversos dispositivos, incluindo iPhones. No ano seguinte, Pedro publicou um vídeo no YouTube explicando como conseguiu fazer o assistente de voz da Apple, o Siri, falar em português.

Mas nem só de apps é feita a participação dos jovens talentos na tecnologia. Os canadenses Mathew Ho e Asad Muhammad, ambos de 17 anos, mandaram, em feito pioneiro, um boneco Playmobil para a atmosfera terreste, usando um balão de gás hélio, e registraram a trajetória com uma câmera de vídeo acoplada a uma peça de Lego.

A norte-americana Mallory Kievman, 13 anos, uniu o útil ao agradável e criou um pirulito que contém remédio contra o soluço. Mallory já havia experimentado mais de 100 medicamentos para parar de soluçar quando descobriu a fórmula feita à base de vinagre de maçã e açúcar contida no doce. Com esta simples ideia, a menina ganhou importantes prêmios de inovação e no momento conta com a ajuda de estudantes de negócios da Universidade de Connecticut para preparar os pirulitos para venda ao consumidor final.

E o que dizer da inventividade sustentável do garoto Caine Monroy, 9 anos? Filho de imigrantes mexicanos, ele criou um fliperama artesanal, reaproveitando materiais como caixas de papelão da loja de peças de automóveis do pai, em East Los Angeles. Seu projeto, chamado Caine's Arcade, inclui jogos como basquete, futebol e pesca, todos contruídos à mão pelo menino. A partir de um vídeo publicado na internet sobre sua criação, Caine arrecadou US$ 140 mil em doações, quantia que deverá ser usada para finaciar seus estudos.

Veja esses e outros talentos juvenis na galeria de fotos desta matéria.

Terra