inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Imprensa perde espaço para o 'jornalista-cidadão'

13 de setembro de 2006 19h16 atualizado às 19h35

Os cidadãos estão ocupando cada vez mais o espaço dos jornalistas dos meios de comunicações em massa, usando a internet e o celular para "noticiar" informações e fotos exclusivas e formar opinião, afirma o jornalista e escritor americano Dan Gillmor. Gillmor é autor do livro We the Media ("Nós, A Mídia"), que se tornou uma referência no estudo sobre como o jornalismo e a grande mídia estão se tornando obsoletos.

  • Mande fotos e notícias e participe do vc repórter

    No lugar dos veículos tradicionais, sites montados por cidadãos não formados em jornalismo têm conseguido oferecer serviços ao público com maior eficiência. O escritor americano falou a jornalistas e críticos de mídia em São Paulo durante o Colóquio Latino-Americano sobre Observação da Mídia, que termina nesta quarta-feira.

    Projetos

    "Com as novas tecnologias, como a internet e o celular, a mídia se democratizou. Não no sentido de maiores direitos das pessoas, mas de maior participação de todos na comunicação", disse Gillmor, em palestra na terça-feira. Ele enumerou alguns exemplos de serviços montados por cidadãos que competem - e até ganham - dos grandes veículos de comunicação em massa nos Estados Unidos, em um mercado com mais de 200 milhões de internautas (oito vezes o tamanho do Brasil).

  • O site Craiglist, criado por um estudante universitário em 1995, já é hoje a principal ferramenta de anúncios classificados dos Estados Unidos, com cerca de quatro bilhões de acessos por mês. Os classificados, fonte de renda importante dos jornais impressos, estão "migrando" para a internet.
  • A enciclopédia Wikipedia, fundada em 2001, é uma das mais consultadas da internet. Os verbetes são escritos e revistos pelos próprios internautas, em um dos projetos coletivos com maior participação na rede.
  • O Backfence é um projeto em que os moradores escrevem reportagens e notícias sobre o que está acontecendo na comunidade. A iniciativa de cidadãos não formados em jornalismo, que funciona em alguns Estados americanos como Califórnia e Maryland, tem ocupado o lugar dos jornais locais.
  • O Chicagocrime.org é um exemplo de mashup (mistura, em inglês), ou seja, uma combinação de interfaces diferentes que produz um serviço próprio. Misturando informações do site da polícia de Chicago com o mapa fornecido pela prefeitura, o Chicagocrime.org, criado por um morador, mostra os locais onde mais ocorrem crimes em Chicago.
  • O tradicional jornal diário francês Le Monde tem se adaptado à corrente do jornalismo dos cidadãos. O site do jornal oferece a possibilidade de seus leitores criarem blogs. Os melhores e mais lidos são chamados com destaque na capa do portal e alguns dos seus autores chegam a ser pagos para continuarem a escrever.
  • BBC

    O site de notícias da BBC na Grã-Bretanha também tem feito estudos sobre o jornalismo dos cidadãos. Durante eventos importantes, como os atentados de Londres de 2005, o portal publicou fotos do incidente tiradas pelos internautas.

    Recentemente, foi montado um projeto-piloto pela empresa com produção de informações exclusivamente por cidadãos. "Oitenta e cinco por cento dos britânicos consumem algum tipo de material da BBC ao longo da semana", afirma o diretor da Faculdade de Jornalismo da BBC, Vin Ray, que falou no colóquio em São Paulo sobre a iniciativa.

    O colóquio Latino-Americano sobre Observação da Mídia reuniu críticos de mídia, jornalistas e acadêmicos de países como Chile, Venezuela, Uruguai, Argentina e Colômbia, entre outros. "O objetivo é promover a crítica da mídia, campo no qual o Brasil é, de certa forma, um precursor no continente", disse Alberto Dines, diretor do Observatório da Imprensa, que organizou o evento. O colóquio contou com apoio da BBC Brasil e da Ford Foundation.

    BBC Brasil
    BBC Brasil - BBC BRASIL.com - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC BRASIL.com.