inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Google confirma compra do YouTube por US$ 1,65 bi

09 de outubro de 2006 17h25 atualizado em 10 de outubro de 2006 às 17h33

Chad Hurley (E), 29 anos, e Steve Chen, 27, são os fundadores do YouTube. Foto: AP

Chad Hurley (E), 29 anos, e Steve Chen, 27, são os fundadores do YouTube
Foto: AP

O Google anunciou, nesta segunda-feira, a compra do popular site de vídeos YouTube e confirmou os boatos sobre a negociação, que começaram a circular na sexta-feira. O valor, de US$ 1,65 bilhão (R$ 3,58 bilhões), será pago em ações da empresa de busca.

  • Vídeo: criadores do YouTube falam sobre venda
  • YouTube ganha asas depois de compra
  • Só um 'idiota' compraria YouTube
  • Queda do YouTube é 'questão de tempo'
  • O YouTube cresceu de maneira exponencial desde a sua fundação, em 2005, a ponto de, a cada dia, mais de 100 milhões de vídeos serem visualizados no portal. Os fundadores, Chad Hurley e Steve Chen, assim como seus 65 funcionários, passarão a trabalhar para o Google.

    Apesar da compra, o site de compartilhamento de vídeo continuará operando de maneira independente, com seu nome e marca. A aquisição é parte da estratégia do Google de ampliar seu domínio na área de sites dedicados à formação de redes sociais e ao compartilhamento de vídeos, serviço este último que o Google já oferece, embora seja apenas o sétimo maior entre seus concorrentes.

    O segundo na lista, atrás do YouTube, é o MySpace.com, de propriedade da News Corporation, companhia que se beneficiou enormemente da popularidade deste site de interação social e troca de vídeos e conteúdos. Segundo a companhia de estudos Hitwise, o YouTube concentra cerca de 46% do mercado de compartilhamento e distribuição de vídeos on-line, por isso os analistas especulam que outras empresas da Internet demonstraram interesse em comprá-lo.

    Segundo alguns especialistas, isso explica o preço relativamente alto pago pelo Google por uma companhia que ainda não demonstrou a viabilidade econômica de seu modelo de negócios. Calcula-se que cerca de 34 milhões de americanos se conectam mensalmente no YouTube, o que dá ao Google uma grande plataforma para a ampliação de seus negócios de venda de espaços publicitários na rede.

    Com a compra, o Google passa do terceiro para o segundo lugar entre as páginas mais visitadas nos EUA, segundo dados do mês de agosto recolhidos pela Nielsen NetRatings. O Google e o YouTube totalizam 101 milhões de visitas, contra a 106,7 milhões do Yahoo e 98,5 milhões do MSN.

    De acordo com a Nielsen NetRatings, o usuário médio do YouTube passa 26 minutos ao mês vendo vídeos no site, que recebe cerca de 65 mil novos vídeos por dia. O Google também disse que manterá seu próprio serviço de compartilhamento e distribuição de vídeos.

    Espera-se que a operação de compra, que já tinha sido antecipada na sexta-feira pelo The Wall Street Journal, seja concluída no quarto trimestre. Pouco antes do anúncio da compra, o Google e o YouTube assinaram acordos para a exibição de vídeos musicais e de programas de televisão em seus sites.

    Parcerias

    O YouTube fechou uma parceria com a Universal Music, a maior gravadora do mundo, e com a Sony BMG Music Entertainment. Já o Google fez negócio com a Sony e a Warner Music. Além disso, a rede de televisão CBS aceitou distribuir conteúdos através do YouTube. O anúncio da aquisição do YouTube pelo Google foi feito poucos minutos depois do fechamento dos mercados de Nova York.

    As açoes da companhia famosa pelo seu site de busca subiram hoje US$ 8,5 (2,02%), para US$ 429.

    Redação Terra