inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Site pirata quer comprar o 'menor país do mundo'

17 de janeiro de 2007 11h15

Em Sealand, o menor país do mundo, o acesso só é possível por helicóptero ou pelo mar. Foto: Divulgação

Em Sealand, o menor país do mundo, o acesso só é possível por helicóptero ou pelo mar
Foto: Divulgação

Os operadores do portal sueco The Pirate Bay, que armazena arquivos .torrent que levam a downloads de conteúdos piratas, anunciaram suas intenções de comprar o "Principado de Sealand", uma antiga base militar da Segunda Guerra Mundial desativada localizada em alto mar, a aproximadamente 10 km de distância da costa, ao sudeste da Grã Bretanha.

  • Receba notícias por -mail
  • Receba notícias por RSS
  • Mande fotos e relatos
  • Participe dos fóruns
  • Troque idéias no Chat
  • Envie sua mensagem

    De acordo com o site BetaNews, a idéia é estabelecer o site em um local onde as leis internacionais de proteção aos direitos autorais não possam ser aplicadas. Por ser o site de hospedagem de arquivos .torrent mais famoso, The Pirate Bay sofre pressão de empresas e governos, tendo sido obrigado a retirar os servidores da Suécia e movê-los para a Holanda após apreensão pela polícia sueca.

    O site, assumidamente pirata, não hospeda arquivos ilegais, apenas pequenos arquivos de referência que, quando utilizados em conjunto com programas de download da tecnologia BitTorrent, iniciam a transferência. Entre seus conteúdos estão jogos, filmes e seriados, além de músicas e aplicativos. Por conta disso, seus responsáveis abertamente respondem de maneira irônica às ameaças de processos da indústria em emails publicados na capa de seu site, thepiratebay.org.

    O micropaís Sealand, que outrora foi uma plataforma que defendeu os britânicos dos ataques nazistas, foi ocupada por Paddy Roy Bates e sua família em 1967. Na ocasião, Bates declarou independência e chamou a estrutura de Principado. Em 1968, ele usou armas para defender sua plataforma contra a Marinha Britânica e, posteriormente, conseguiu chamar a atenção de empresas e usuários de computadores que viam a oportunidade dada pela liberdade de tocar negócios sem interferência do governo.

    Segundo o site Ars Technica, a empresa HavenCo, por exemplo, já ofereceu seus serviços de hospedagem local entre 2000 e 2003 em Sealand. Hoje, o Príncipe Roy está bastante velho e, após um incêndio em 28 de junho de 2006, seu filho anunciou o desejo de vender suas "terras" através de leilão.

    O The Pirate Bay começou a pedir doações e arrecadou até o momento US$ 17 mil, pequeno valor comparado ao preço estimado, entre US$ 127,5 milhões e US$ 989,3 milhões, de acordo com o Trusted Reviews. Como gratificação aos donatários, o site promete dar a cidadania do país aos colaboradores da possível compra.

    As negociações para comprar a plataforma começaram a ser feitas através de email. Caso o grupo interessado não consiga comprar o país, já possui planos de adquirir uma pequena ilha e declará-la independente. Outra possibilidade é a compra da Ladonia, uma micronação localizada no sudeste da Suécia que pediu independência em 1996, para proteger três esculturas de Lars Vilks, fundador do país.

    Há alguns dias a capa do portal de buscas de arquivos torrent traz a imagem da base naval e o nome "Pirates of Sealand". Foi aberto um site para tratar das negociações e através do qual as doações podem ser feitas. Ele está hospedado sob o domínio buysealand.com. Alguns usuários mais imaginosos acreditam que, mesmo improvável, caso realmente o site venha a ter sede em Sealand, não demorará muito para que grandes potências declarem guerra ao novo país e literalmente bombardeiem os servidores piratas.

    Mais informações sobre Sealand e Ladonia podem ser lidas em seus respectivos sites oficiais, em sealandgov.org e ladonia.net.

  • Magnet
    Magnet