inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Americanos dão mais valor ao PC do que à cara-metade

15 de outubro de 2007 15h53

Pesquisa mostra a dependência das pessoas em relação aos seus computadores. Foto: Terra

Pesquisa mostra a dependência das pessoas em relação aos seus computadores
Foto: Terra

Uma pesquisa realizada nos Estados Unidos em janeiro e divulgada esse mês revela que 64% dos americanos gastam mais tempo com o seu computador do que com sua cara-metade - valorizam mais a máquina que o parceiro de carne e osso. Além disso, 84% disseram ser mais dependentes do micro atualmente do que eram três anos atrás. Os dados foram divulgados pelo site LiveScience.com.

» Americanos trocam amigos e vida sexual pela Internet
» Pesquisa mostra aumento da "cibervadiagem" no Brasil
» Jovens do Brasil são os que mais têm amigos virtuais, diz pesquisa
» Chat: tecle sobre a notícia

Ao ouvir usuários maiores de 18 anos, com acesso à Internet banda larga em seus computadores pessoais, a idéia da SupportSoft, uma companhia americana que desenvolve software para help desk, era conhecer melhor o público antes de entrar no mercado consumidor. Mas as respostas surpreenderam, ao mostrar que problemas com o computador podem desencadear fortes emoções e reações extremadas, considerou o gerente de marketing da companhia, Anthony Rodio.

Os entrevistados - que revelaram gastar em média 12 horas por mês lutando contra problemas em suas máquinas -, ao constatarem que o PC não está funcionando, admitiram ter vontade de arremessá-lo pela janela (19%), enquanto 9% se sentem sozinhos e abandonados. Outros 11% se descontrolam a ponto de recorrer a xingamentos, sendo que 7% o fazem aos gritos, 3% vão às lágrimas e outros 3% resolvem descontar sua raiva arremessando objetos inanimados, revelou a pesquisa.

Por outro lado, apenas 32% disseram reagir moderadamente, basicamente dando de ombros ao ocorrido.

Entre os entrevistados, 48% afirmaram preferir ajudar um amigo durante uma mudança do que lidar com um problema com o seu computador. E 30% revelaram que atualmente sentem mais frustração com suas máquinas do que há três anos.

Ao site The Inquirer, Rodio avaliou que o relacionamento de alguns usuários com o computador é tão anômalo quanto qualquer família de série de comédia na TV. "O computador é uma boa ferramenta, mas usá-lo não é o mesmo que o contato pessoal, cara-a-cara com o parceiro. Fechar o laptop pode ser bom, de vez em quando", sugeriu o executivo aos usuários que gastam mais tempo com o computador do que com seus pares de carne e osso.

Magnet
Magnet