inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Amazon pode revolucionar leitura com livro eletrônico

20 de novembro de 2007 10h03 atualizado às 10h13

Jeff Bezos, fundador do site de varejo na Internet Amazon, e que construiu império vendendo livros na Internet, acredita que as páginas de papel têm os dias contados, e que o futuro pertencerá ao livro digital.

» Leitor de livro eletrônico acessa a web sem fio
» Amazon e empresas de busca apostam no livro eletrônico
» Veja análise do Sony Reader
» Leitor da Sony armazena até 160 obras

Bezos apresentou nesta segunda-feira o leitor de livros eletrônico Kindle, que por alguns analistas já é comparado ao iPod da Apple, e com o qual Amazon espera popularizar os livros digitais.

Com um custo de US$ 399 nos Estados Unidos, Kindle permite armazenar até 200 livros e escolher entre uma variedade de 90 mil títulos à venda em sua loja online, além de assinaturas dos principais jornais e revistas do país e mais de 300 blogs.

A grande novidade é que Kindle tem conexão sem fio à internet, o que possibilita aos leitores baixar conteúdo da rede em qualquer lugar e, além de ler, consultar e-mails.

Nos leitores de livros eletrônicos anteriores, o usuário precisava estar conectado a um computador, para o qual deveria baixar o livro, para em seguida transferi-lo ao aparelho leitor.

Kindle foi projeto de desenvolvimento da Amazon durante três anos. A idéia era de que o aparelho passasse a um segundo plano, para permitir ao usuário desfrutar da leitura, assim como acontece com os livros físicos.

Quando se lê um livro "a tinta e o papel se esmaecem e o que fica é a palavra do autor. Nosso principal objetivo era conseguir que Kindle desaparecesse nas mãos", disse o fundador do Amazon. De acordo com a empresa, a tela do leitor é tão simples de ler quanto o papel, pois utiliza partículas de tinta reais, reflete a luz como o papel comum e não brilha como as telas de outros aparelhos eletrônicos.

Para estimular os compradores, o Amazon baixou para US$ 9,99 o preço do download de muitos dos títulos mais vendidos. No passado, alguns títulos em versão digital custavam o mesmo que suas edições em papel.

No entanto, alguns especialistas são céticos com relação às possibilidades de sucesso do Kindle e se perguntam se os leitores estão realmente preparados para esquecer o contato das páginas de um livro e começar a ler romances em uma tela de seis polegadas.

As primeiras tentativas de popularizar os leitores de livros eletrônicos chegaram ao final dos anos 90 com o RocketBook e o SoftBook Reader, duas invenções que passaram despercebidos por serem incômodas ao leitor e pela pouca oferta de títulos.

Mais sucesso tiveram lançamentos recentes como o Reader, da Sony, colocado à venda há um ano, que utiliza uma nova tecnologia que torna muito mais agradável a leitura em sua tela. Embora a Sony não tenha divulgado o número de vendas, seu sucesso deve ter sido pelo menos aceitável, já que o grupo lançou em outubro uma nova edição pelo mesmo preço, - US$ 300 nos EUA -, mas com novas funções.

No setor editorial, responsável pela movimentação de US$ 35 bilhões anuais, tanto as editoras como o varejo já se preparam para uma possível era "pós-Gutenberg" e já aumentaram sua oferta de livros digitais.

A editora Random House, por exemplo, planeja oferecer 6,5 mil títulos em formato digital para o próximo ano, quase o dobro do que dispõe atualmente.

Já a Barnes & Noble, uma das principais redes de livrarias americanas, anunciou que oferecerá em sua página na internet o texto integral de boa parte de seus títulos à venda e que não descarta desenvolver, inclusive, um leitor de livros digitais próprio.

Se estes leitores se popularizam, qual seria o futuro das editoras em um mundo de livros digitais baratos e fáceis de baixar da web? Ao contrário do que pode parecer, muitos especialistas acham que aparelhos como o Kindle abrem muitas oportunidades para estas empresas.

Bezos acredita que os ciclos editoriais seriam encurtados, porque não seria necessário imprimir fisicamente os livros e os custos cairiam. Isso permitiria reduzir os preços - uma das principais queixas de muitos leitores - e encorajar mais gente a ler. Somente 57% dos americanos lêem pelo menos um livro ao ano e este número é cada vez mais baixo.

EFE
EFE - Agência EFE - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agência EFE S/A.