inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Em despedida, Bill Gates anuncia 2ª década digital

07 de janeiro de 2008 03h25 atualizado às 13h39

Bill Gates posa ao lado do guitarrista Slash durante a feira. Foto: AP

Bill Gates posa ao lado do guitarrista Slash durante a feira
Foto: AP

O presidente e fundador da Microsoft, Bill Gates, abriu a Consumer Electronics Show (CES 2008) em Las Vegas confirmando que esta foi sua última aparição no evento. Ele já havia anunciado que em julho deixaria de forma efetiva todos os trabalhos de gestão da Microsoft para concentrar-se em suas tarefas filantrópicas através da Fundação Bill e Melinda Gates. Como sempre, fez previsões sobre a tecnologia, dizendo que agora se inicia uma segunda década digital, "mais focalizada em conectar pessoas".

» Fotos: primeiras novidades
» Veja fotos dos preparativos
» Veja erros e acertos de Gates como futurólogo
» Veja cobertura completa

"Este é meu último discurso de abertura. Em julho deixarei de ser um funcionário em tempo integral da Microsoft para trabalhar totalmente para a Fundação (Bill e Melinda Gates)", assinalou em seu discurso de abertura da CES 2008.

Durante seu discurso, ele qualificou os últimos 10 anos como a "primeira década digital", e disse que o período viveu um grande sucesso tanto no desenvolvimento de aparelhos como em suas aplicações.

O multimilionário de 52 anos também assinalou que "esta primeira década foi apenas o princípio". "Nada vai nos segurar na segunda década digital, que estará mais focada em conectar pessoas e nas necessidades do usuário", afirmou.

Gates disse que haverá três elementos-chave na nova década digital. O primeiro foi definido por ele como "experiências em alta definição", tanto de vídeo como de áudio.

O segundo elemento citado por Gates foi que todos os aparelhos eletrônicos "estarão conectados por serviços", o que permitirá compartilhar a informação entre uma multidão de usuários sem a necessidade de estabelecer pontes entre os aparelhos eletrônicos.

E o terceiro elemento, que Gates qualificou como "o mais subestimado", são as novas formas de interação com computadores, telefones e outros aparelhos eletrônicos.

"Tudo estará conectado. Será automático. Os usuários não precisarão mais criar pontes entre os aparelhos e lembrar o que está onde", afirmou Gates.

Nenhum gadget novo
Gates, entretanto, não tinha muito a exibir em termos de novos aparelhos. "Parte disso tem a ver com o fato de que a Microsoft está cansada de anunciar novos produtos que não se materializam ou terminam surgindo em forma muito diferente daquilo que era alardeado", escreveu Michal Gartenberg, analista da Jupiter Research, em nota na web.

"Ainda acredito que essa abordagem é positiva, mas um pouco mais de força não teria prejudicado", acrescentou.

Gates anunciou que esta seria sua última participação na CES, pelo menos neste papel - no futuro, Robbie Bach, que comanda a divisão de aparelhos e entretenimento da Microsoft, responsável por produtos como o console de videogames Xbox 360 e o player de mídia Zune, fará o discurso como representante da empresa - e exibiu um vídeo humorístico em que diversas pessoas famosas, como o diretor de cinema Steven Spielberg e a senadora Hillary Clinton, rejeitam seus pedidos de emprego.

Em uma palestra repleta de piadas sobre ele mesmo e com um final estrelado pelo guitarrista de rock Slash, personagem do jogo Guitar Hero III, Gates previu que as pessoas interagiriam mais naturalmente com tecnologia por meio de métodos como o tato e a fala, na próxima década.

com agências internacionais

Redação Terra