inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Software promete contatos seguros para militantes islâmicos

19 de janeiro de 2008 16h00 atualizado em 20 de janeiro de 2008 às 10h23

Um site muçulmano muito usado por simpatizantes da Al Qaeda fez uma atualização na sexta-feira que, segundo ele, ajuda militantes islâmicos a se comunicarem com mais segurança na Internet.

» Al Qaeda usa web para divulgar a ideologia do terrorismo
» UE: ministros apóiam fiscalizar a web contra terrorismo
» Tática do Islã na web preocupa governos ocidentais
» Ocidente defende criar fronteiras online contra o terrorismo

O Mujahideen Secrets 2 foi anunciado como "o primeiro programa islâmico para comunicação segura pela rede com mais técnico grau de codificação".

O programa, disponível gratuitamente no site privado Ekhlaas.org, que frequentemente possui mensagens da Al Qaeda, é uma nova versão do Mujahideen Secrets lançado no início de 2007 pelo Global Islamic Media Front, um grupo na rede ligado à Al Qaeda.

"Esta edição especial do software foi desenvolvida e lançada pela Ekhlass para ajudar os mujahideen (guerreiros sagrados) e o Estado Islâmico (ligado à Al Qaeda) particularmente no Iraque", afirmou o site.

A eficácia do novo programa em linguagem arábica em oferecer segurança a e-mails e outras comunicações não pode ser imediatamente mensurada. Mas alguns especialistas alertaram que a ampla distribuição de sua versão anterior entre os hackers muçulmanos pode se provar significativa.

Os simpatizantes da Al Qaeda usam amplamente a Internet para divulgar as declarações do grupo através de centenas de sites islâmicos onde qualquer um pode publicar uma mensagem. Os grupos ligados à Al Qaeda também criam seus próprios sites, que frequentemente são retirados do ar por provedores de Internet.

A área de mídia da Al Qaeda, a As-Sahab, se tornou muito sofisticada nos últimos anos. Ela lançou 97 mensagens de áudio de vídeo em 2007 contra apenas 2 em 2002, segundo a InterCenter, um grupo norte-americano que monitora sites islâmicos.

Reuters
Reuters - Reuters Limited - todos os direitos reservados. Clique aqui para limitações e restrições ao uso.