inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Pioneiro da tecnologia inova com supercomputador

18 de novembro de 2008 16h48

Steven Wallach está completando a alma de sua nova máquina.

» Supercomputador de 200 mil núcleos é anunciado
» UFRJ inaugura supercomputador de R$ 5 milhões
» Unicamp recebe supercomputador de R$ 800 mil
» Supercomputador da IBM é eleito o mais rápido

Há 30 anos, ele foi um dos projetistas de computadores retratado por Tracy Kidder em A Alma de Uma Máquina Nova, uma reportagem premiada com o Pulitzer de jornalismo.

Wallach, então aos 33 anos, era o arquiteto da estrutura do chip e uma espécie de babá dos "microkids", o apelido que ele deu ao grupo de jovens engenheiros que projetou o Data General MV 8000, um minicomputador produzido a baixo custo que conseguiu manter a Data General na batalha ferrenha que a empresa disputava contra a Digital Equipment Corp.

E Wallach continua na ativa, aos 63 anos. Planeja lançar sua nova empresa, a Convey Computer, e descrever os detalhes técnicos de um novo supercomputador destinado a aplicações científicas e de engenharia em uma conferência sobre supercomputadores que acontece esta semana em Dallas.

Wallach acredita que ele tenha desenvolvido uma nova idéia quanto ao projeto de computadores em uma era na qual se tornou moda dizer que não existem idéias novas. Até agora, ele conseguiu persuadir alguns dos principais pensadores no mundo dos computadores de alto desempenho de que talvez esteja certo. Tanto a Intel quanto a Xilinx, outra fabricante de chips, estão entre os investidores iniciais em seu novo projeto.

"Steve tem um longo retrospecto na construção de máquinas de sucesso", disse Jack Dongarra, cientista da computação da Universidade do Tennessee e um dos mantenedores da lista dos 500 mais rápidos computadores do mundo. "Ele compreende quais são os gargalos".

Depois de deixar a Data General, Wallach ajudou a criar a Convex, em 1982, para desenvolver um supercomputador de baixo custo.

Ele talvez seja uma das últimas pessoas ainda capazes de recordar uma geração audaciosa de projetistas de computadores que no passado era personificada por Seymour Cray, o engenheiro que criou os primeiros supercomputadores comerciais do planeta, nos anos 60.

Seu mais recente esforço no projeto de computadores tem por objetivo resolver uma das limitações essenciais no mundo da supercomputação. Os supercomputadores são tipicamente criados para apresentar desempenho excelente na solução de uma classe única de programas. Eles conseguem simular a explosão de uma arma nuclear ou modelar as alterações climáticas no planeta com velocidade ofuscante, mas se provam lerdos e ineficientes quando surgem outros problemas.

Os supercomputadores atuais são montados com milhares ou até dezenas de milhares de processadores, e freqüentemente consomem energia suficiente para abastecer uma pequena cidade. Além disso, programá-los pode ser uma tarefa assustadora. Muitos dos novos supercomputadores tentam enfrentar o desafio de resolver classes diferentes de problemas ao conectar diferentes espécies de processador, ao modo Lego. E isso pode causar trauma aos programadores.

Os projetistas de computadores vêm tentando, há décadas, diferentes maneiras de contornar a complexidade da programação de múltiplos chips, a fim de dividir os problemas em porções que possam ser computadas simultaneamente, o que aceleraria a solução.

Wallach desenvolveu sua nova idéia de projeto em 2006, depois de se apanhar rejeitando as idéias de muitas empresas iniciantes que estavam tentando atrair investimentos das empresas de capital para empreendimentos que ele assessorava.

"Eu dizia que a moçada não fazia idéia do que estava fazendo", conta. "Para mim é difícil me ver como o ancião do setor, mas a situação era a mesma no começo dos anos 80".

Um dos executivos que ele assessorava se irritou com as constantes críticas de Wallach aos projetos propostos, e propôs: "Está bem, figurão, o que você faria, então?"

Duas semanas depois ele surgiu com uma nova idéia. O projetista se deixou fascinar há muito tempo por uma tecnologia para chips conhecida como Field Programmable Gate Arrays. São chips usados para produzir protótipos de sistemas de computação, porque podem ser reprogramados rapidamente e ao mesmo tempo oferecem a velocidade elevada do hardware de computação.

Algumas empresas iniciantes de computação e algumas grandes empresas do setor tentaram projetar sistemas usando esses chips como base, mas Wallach acreditava que fosse capaz de fazer melhor.

A maneira certa de usar os chips, ele decidiu, seria acoplá-los de forma tão estreita ao chip microprocessador que isso geraria a impressão de que representam apenas um pequeno conjunto de instruções adicionais, destinadas a permitir que um programador acelere um programa. Tudo precisaria ser exatamente como o ambiente padronizado de programação, ao contrário de muitos supercomputadores que requerem "heroísmo" dos programadores.

"Nos últimos 40 anos", ele diz, "aprendemos que o sistema mais fácil de programar sempre vence".

O computador da Convey utilizará microprocessadores da Intel, e funcionará como uma entidade capaz de mudar de forma, reconfigurado com diferentes "personalidades" de hardware a fim de computar problemas de setores diferentes, inicialmente de bioinformática, design assistido por computador, serviços financeiros e prospecção de petróleo. Wallach admite que criar uma empresa quando a economia está entrando em recessão e diante da forte concorrência da Cray, IBM, Hewlett-Packard, Sun Microsystems e mais de uma dúzia de empresas menores, é uma parada assustadora. Mas a Convey foi organizada em apenas dois anos, e com orçamento mínimo. A companhia levantou investimentos apenas US$ 15,1 milhões.

"De muitas maneiras", afirmou Wallach, "as coisas são mais fáceis do que em 1982. É preciso muito menos dinheiro, e acho que não muita gente percebeu o fato".

Tradução: Paulo Migliacci ME

The New York Times
The New York Times