inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Estudo: tecnologia é desculpa para não fazer a lição de casa

19 de novembro de 2008 18h43 atualizado às 18h48

Como era de se esperar, a clássica desculpa de "o cachorro comeu meu dever de casa" foi modernizada pelas novas gerações. Uma pesquisa inglesa apontou que hoje os professores estão sujeitos a histórias que envolvem computadores e hackers. O site The Register afirma que, de acordo com a pesquisa, os estudantes estão usando como desculpa equipamentos modernos que as gerações mais antigas, ou seja, a dos professores, não conseguiram dominar. Em grande parte dos casos, a desculpa "cola".

» Acostumados a digitar, alunos têm aula de caligrafia
» Escolas inglesas combatem lições plagiadas da web
» Aluno pode pegar cadeia por fraudar notas

A Pixmania entrevistou mil professores britânicos e descobriu que em média 6,5 milhões de desculpas para não fazer o dever são dadas por semana, sendo que destas 1,3 milhão estão relacionadas à tecnologia.

Cerca de 70% dos professores afirmaram terem ouvido alunos usarem a tecnologia em desculpas que vão desde o simples "o computador quebrou", "a Internet estava fora" e "a impressora não funcionou", até outras alegações criativas como "hackers russos destruíram minha lição".

O cachorro, grande vilão das desculpas agora antiquadas, continua aparecendo na era moderna. Mas em vez de comer o dever, ele "urina no computador", que pára de funcionar, ou então "mastiga o mouse".

Entre as respostas mais tradicionais ligadas à tecnologia estão "meu computador travou e eu perdi a lição", "eu fiz a lição, mas deletei sem querer", "não consegui imprimir", "minha Internet estava fora do ar e eu não pude pesquisar" e "eu perdi meu laptop".

Hoje, 68% dos alunos na Inglaterra fazem seus trabalhos no computador. Sue Cooke, assistente de direção da Wallington County Grammar School, em Londres, afirmou que inicialmente era simples enganar os professores com desculpas relacionadas a tecnologia, mas que agora eles estão se especializando a ponto de poder identificar e ajudar aqueles que realmente tiveram problemas, noticiou o site Times Online.

Magnet
Magnet