inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Robôs podem ser mais companheiros que humanos, diz sociólogo

15 de dezembro de 2008 08h58 atualizado às 09h18

Robôs como Aiko (foto) já são criados para fazer companhia a humanos. Foto: Divulgação

Robôs como Aiko (foto) já são criados para fazer companhia a humanos
Foto: Divulgação

Assim como dependemos de carros e celulares hoje, os robôs vão se tornar parte essencial da nossa vida nos próximos 15 anos, afirma o sociólogo espanhol Antonio Lopez Pelaez em um estudo publicado recentemente. Ele também sugere que as pessoas terão laços afetivos com robôs, e até mesmo tratá-los como animais de estimação.

» Humanos se casarão com robôs em breve, diz pesquisador
» Robô "mulher perfeita" faz café, limpa orelhas e calcula
» Babá-robô não se cansa de brincar
» Sexo e amor com robôs é tema de debate
» Fórum: opine sobre o relacionamento com robôs

O estudo, publicado na revista científica Technological Forecasting and Social Change, prevê que 40% das tropas militares em todo o mundo sejam automatizadas até 2020. Ele também sugere que implantes robóticos serão algo comum em uma década, noticiou o jornal britânico The Guardian.

Pelaez, que é professor de sociologia da Universidade Nacional de Ensino a Distância na Espanha, também acredita que as pessoas cada vez mais terão robôs como companhia. "Um robô pode ser mais companheiro e uma pessoa melhor do que os humanos que temos hoje em nossas vidas," Pelaez declarou ao Guardian. "Assim como você vê as pessoas conversando com seus cachorros hoje, em breve estaremos conversando com robôs."

Segundo a Federação Internacional de Robótica, o uso de robôs terá um crescimento significativo até 2011, diz o Guardian.

Redação Terra