inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Windows 7 é o Vista "arrumado", diz analista

10 de fevereiro de 2009 08h56 atualizado às 09h14

O Windows 7, próxima versão do SO da Microsoft, busca consertar falhas do Vista. Foto: The New York Times

O Windows 7, próxima versão do SO da Microsoft, busca consertar falhas do Vista
Foto: The New York Times

Para um sistema operacional que levou cinco anos para ser criado, a reputação do Windows Vista se queimou surpreendentemente rápido. Nem toda companhia vive para ver o dia em que seus clientes imploram, suplicam e fazem abaixo-assinados para terem de volta a versão anterior de seu principal produto.

» Veja imagem ampliada de uma tela do Windows 7
» Presidente da Microsoft dá dicas sobre Windows 7
» Fã começa campanha online por lançamento do Windows 7

Uma coisa é certa: a Microsoft não vai levar cinco anos para produzir o próximo Windows. A companhia quer deixar o Vista para trás o mais rápido possível. Na verdade, a próxima versão do Windows já está quase saindo. Ela se chama Windows 7.

Ela se parece com o Vista e funciona de forma similar. Na verdade, o que a Microsoft parece estar tentando com o Windows 7 é o "Vista, consertado."

Se você perguntar às massas o que não gostam sobre o Vista (como eu fiz usando o Twitter), provavelmente ouvirá as mesmas respostas. A lista de reclamações dá uma boa base para se avaliar as chances do Windows 7, que deve chegar dentro de um ano.

O Vista é reclamão e intrometido. Ele está sempre mostrando alertas e mensagens, que fazem você desejar ser deixado em paz. Muitos deles vêm do muito desprezível atributo de nome orwelliano Controle de Conta de Usuário, que tem o intuito de avisá-lo sobre vírus e instalações de spyware que poderiam se infiltrar sem você perceber.

O problema é que o Controle de Conta de Usuário é desconfiado demais, exigindo seu nome e senha até quando você faz mudanças inocentes (como acertar o relógio do computador). No Windows 7, você pode regular a função - eliminando os alertas, por exemplo, quando você, o humano, é quem está fazendo as mudanças.

Além disso, dez categorias de alertas de baixa urgência não aparecem mais como balões da barra de tarefas; agora eles ficam consolidados em um novo Painel de Controle chamado Centro de Ações. Um pequeno ícone de bandeira aparece na bandeja do sistema para avisá-lo de que novas mensagens o aguardam.

O Vista é lento. A Microsoft definitivamente entendeu esse recado. Até mesmo na versão teste de seu sucessor, dá para sentir que muitas coisas estão mais rápidas: inicializar (40 segundos em três máquinas de testes), desligar, reconectar a redes sem fio, copiar arquivos e inserir flash drives, por exemplo. Não é um Windows XP, mas com ainda alguns meses para ser melhorado, o Windows 7 parece ágil. (Em um Mac, paradoxalmente, ele é supersônico.)

O Vista consome muitos recursos. A Microsoft planeja manter as mesmas exigências de sistema do Vista para o Windows 7 (pelo menos 1 gigahertz de processador, 1 gigabyte de memória e assim por diante). Dessa vez, no entanto, menos pessoas terão que comprar PCs novinhos para ter o sistema, porque três anos terão se passado. Menos pessoas instalarão o novo Windows em computadores da era 2003.

O Windows 7 também deverá ser menos inchado. ("O uso de memória foi reduzido em centenas de locais," diz o guia do avaliador.)

O Vista é incompatível. Grande parte de sua desgraça envolveu softwares e drivers incompatíveis. Não há dor de cabeça maior do que atualizar seu PC e descobrir que não consegue usar a impressora, o scanner ou o programa favorito.

Mesmo pelas contas da Microsoft, apenas 2,8 mil programas foram certificados para funcionar com o Vista até agora, das dezenas de milhares disponíveis.

Como a Microsoft afirma: "se funciona no Windows Vista, funcionará no Windows 7." Isso não é ótimo, mas o que mais a Microsoft pode fazer?

O Vista é confuso. Muitas coisas foram movidas de lugar ou renomeadas, geralmente sem propósito claro. Isso ocorre ainda mais no Windows 7.

Entre outras mudanças, as pastas de Imagens, Documentos e Filmes foram substituídas por algo bem bacana - mas muito confuso - chamado Bibliotecas. Elas são pastas virtuais. Clique na biblioteca de Imagens, por exemplo, para ver todas as fotos de seu PC inteiro ou até de sua rede, não importando em quais pastas elas realmente estejam.

Ah, e por falar em confusão: os utilitários principais de um sistema operacional hoje em dia - e-mail, agenda de endereços, calendário, gerenciador de fotos, editor de filmes e mensagens instantâneas - não virão com o Windows 7. A menos que você compre seu PC de uma empresa que pré-instale esses programas, você terá que baixá-los sozinho no website da Microsoft.

A Microsoft explica que esse inconveniente a mais possibilita "o fornecimento de atualizações mais freqüentes aos consumidores." Como é que é? Quem reclama sobre a freqüência de atualizações do programa da agenda de endereços?

As edições são confusas. O Windows Vista é vendido em pelo menos seis versões: Home Basic, Business, Ultimate e assim por diante, cada qual com um subgrupo de atributos confusos, às vezes ilógico. Oficialmente, a Microsoft diz que não determinou o esquema de versões do Windows 7, embora um gerente de produto em uma coletiva tenha mencionado que o novo esquema será provavelmente similar ao do Vista. Ah, enfim - não se pode ganhar todas.

Nem todos os atributos do Windows 7 têm a intenção de consertar as deficiências do Vista. Alguns são novos.

Por exemplo, a barra de tarefas do Windows 7 se parece com o Dock do Mac OS X e funciona como tal: uma fileira de ícones grandes e quadrados representando seus programas favoritos, estejam eles em uso ou não. Ela assumiu as funções da antiga Barra de Inicialização Rápida. É possível desabilitar essa função, mas não faça isso; é muito legal.

Outros empréstimos da Apple: papel de parede que muda em intervalos regulares. Um programa de lembretes amarelos. Um menu simples contendo as redes sem fio disponíveis. "Navegação privada," na qual suas explorações restritas a adultos não deixam rastros na lista do Histórico ou em qualquer outro lugar. Listas de atalhos (menus de atalho úteis que aparecem nos ícones da barra de tarefas.) E interface gestual multitoque inspirada no iPhone, um atributo que a Microsoft espera ser usado em uma nova geração de laptops especialmente equipados. O que significa que você poderá girar uma imagem torcendo dois dedos na tela, acionar o zoom com uma beliscada, e assim por diante.

Existem novas versões do Internet Explorer, Paint, WordPad, Calculadora e Restauração de Sistema, e um programa de backup muito melhor. O Firewall do Windows agora protege você de comunicações malignas tanto de chegada quanto de saída.

A Microsoft acrescentou alguns truques de gerenciamento de janelas bastante interessantes. Por exemplo, você pode maximizar e minimizar uma janela apenas arrastando-a para perto ou para longe da margem superior da tela. (Existem comandos de teclado para isso também.)

A vida da bateria deve durar mais nos laptops, graças a mudanças gritantes como corte de energia dos plugues que não estão em uso.

O HomeGroups é fantástico. Digite a mesma senha em qualquer computador com Windows 7 e pronto: você acessa sua rede doméstica de maneira automática e instantânea, sem ter que mexer em contas, permissões e assim por diante. Todo PC poderá ver as fotos, músicas, filmes e documentos de outro computador, e as pastas que você criar, bem como compartilhar as impressoras de outros. Mesmo na versão teste, funciona perfeitamente.

Aqui vai outra grande idéia nessa era de telas de alta resolução e olhos de meia-idade de baixa resolução: com um clique, você pode aumentar a fonte, em qualquer lugar, em todos os programas, sem afetar o resto da tela.

No momento, muitas pessoas online estão reagindo ao Windows 7 com resmungos: "Ah, ótimo. Então tenho que pagar mais US$ 150 para ter uma versão do Windows que funcione de verdade? Que tal vocês me pagarem por passar três anos testando o seu Vista beta?"

Tudo bem, mas ser amargo não vai garantir a você um PC melhor. O Windows 7, por sua vez, provavelmente vai.

Durante décadas, a estratégia principal da Microsoft foi lançar algo medíocre e então fazer melhorias e mais melhorias, não importando a demora nem o custo, até obter êxito. Esse é o entusiasmo acerca da promessa do Windows 7. Ele é o Windows Vista com muito mais melhorias.

Tradução: Amy Traduções

The New York Times
The New York Times