inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Microsoft testa internamente novo serviço de busca

03 de março de 2009 08h50 atualizado às 09h32

A Microsoft está testando internamente uma nova versão de seu serviço de busca sob o nome de Kumo.com, afirmou um porta-voz da companhia de software na segunda-feira.

» Popularidade crescente do Google ameaça futuro de rivais
» Conheça seis ferramentas de busca alternativas
» O que sistemas de busca podem descobrir sobre nós

O serviço ainda não está disponível fora da companhia, mas pode eventualmente constituir parte da tentativa da Microsoft de superar os líderes do segmento de pesquisa na internet, Google e Yahoo.

O novo serviço foi anunciado em um memorando interno enviado pelo diretor de pesquisa da divisão de serviços online da companhia na segunda-feira. O documento não fornece detalhes sobre novos recursos da ferramenta.

"O Kumo.com existe apenas dentro da rede corporativa, e para conseguir feedback suficiente nós iremos redirecionar o tráfico interno do live.com para testar o site nos próximos dias", disse o memorando de Satya Nadella. "O Kumo é o codinome que escolhemos para o teste interno."

O documento foi divulgado pela primeira vez no blog All Things Digital, do Wall Street Journal.

Nadella considera que a companhia pode colocar em funcionamento um mecanismo de busca melhor do que aqueles atualmente disponíveis.

"Nós acreditamos que podemos fornecer um instrumento de busca melhor e mais útil que ajude você não apenas a pesquisar, mas concluir tarefas", acrescentou Nadella. "Um painel de busca no lado esquerdo das páginas de resultado dará a você acesso a ferramentas que ajudam em suas tarefas."

A companhia está se esforçando para alcançar o Google, que está começando a atingir o núcleo de negócios de software da Microsoft.

No ano passado, a Microsoft fez uma tentativa sem sucesso de comprar o Yahoo por US$ 47,5 bilhões. Executivos de ambas as empresas deixaram aberta a possibilidade de um acordo ou parceria envolvendo os negócios de busca online do Yahoo.

Reuters
Reuters - Reuters Limited - todos os direitos reservados. Clique aqui para limitações e restrições ao uso.