inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Navegar por lazer no trabalho pode elevar produtividade

02 de abril de 2009 08h40 atualizado às 09h50

Flagrado mandando mensagens no Twitter ou no Facebook durante o trabalho? Isso o tornará um funcionário melhor, segundo um estudo australiano que mostrou que navegar na internet por diversão durante o trabalho aumenta a produtividade.

» Relatório recomenda visitas a sites sociais no trabalho
» Brasileiro gasta 51 min do expediente na web a cada dia
» Mensagens instantâneas são benéficas no trabalho, diz estudo

O estudo feito pela Universidade de Melbourne mostrou que pessoas que utilizam a internet para fins pessoais no escritório são quase 9% mais produtivas do que aquelas não o fazem.

O autor do estudo, Brent Coker, afirmou que navegar na web por lazer no trabalho (ou WILB, na sigla em inglês) ajuda a aumentar a concentração dos funcionários.

"As pessoas precisam relaxar um pouco para voltarem a se concentrar", disse Coker no site da instituição.

"Pausas curtas e moderadas, como uma rápida navegação na internet, permitem que a mente descanse, levando a uma concentração total maior para o dia de trabalho e, como resultado, aumenta a produtividade", acrescentou ele.

Segundo o estudo feito com 300 funcionários, 70% das pessoas que usam a internet no trabalho se encaixam na categoria WILB.

Entre as atividades mais populares de lazer estão a busca por informação sobre produtos, leitura de notícias e sites, jogos online e vídeos no Youtube.

"As companhias gastam milhões em softwares para impedir que seus empregados assistam a vídeos, acessem sites de rede social ou façam compras online com o pretexto de que isso custa milhões em perda de produtividade", explicou Coker. "Nem sempre este é o caso".

Entretanto, Coker afirmou que o estudo procurou pessoas que navegam com moderação, ou ficam na internet menos de 20 minutos do tempo total que passam no escritório.

"Aqueles que se comportam com tendências compulsivas na internet terão produtividade menor do que os outros", disse ele.

Reuters
Reuters - Reuters Limited - todos os direitos reservados. Clique aqui para limitações e restrições ao uso.