inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Conferência nos EUA vai mostrar tendências em redes sociais

25 de maio de 2009 11h58 atualizado em 26 de maio de 2009 às 17h26

Começa nesta terça-feira nos Estados Unidos a sétima edição da "All Things Digital", conferência que reunirá grandes nomes da indústria para discutir o impacto da tecnologia digital. O evento, promovido anualmente pelo The Wall Street Journal, acontece de 26 a 28 de maio na cidade de Carlsbad, na Califórnia. "A internet já atingiu uma maturidade de mídia, e acho que terá um desenvolvimento muito grande na América Latina", disse Fernando Madeira, presidente do Terra Networks, que particirá de um grupo de trabalho formado por empresas do setor de redes sociais e comunidades.

» Microsoft testa internamente novo serviço de busca
» Fórum: opine sobre o All Things Digital

Entre os conferencistas que participarão da All Things Digital deste ano estão Steve Ballmer, presidente-executivo da Microsoft, Carol Bartz, presidente-executiva do Yahoo, Biz Stone e Evan Williams, fundadores do Twitter, e John Lilly, presidente da Mozilla.

Uma das principais expectativas em relação à D7, como também é chamada esta edição do evento, é a apresentação do novo mecanismo de busca da Microsoft, o Kumo, que estaria sendo desenvolvido pela empresa para concorrer diretamente com o Google - responsável hoje por 64% desse mercado, segundo o site da Wired.

Tendências em redes sociais
Para o presidente do Terra Networks, Fernando Madeira, a expectativa é que uma das principais discussões do "All Things Digital" seja sobre as novas tendências de redes sociais. Madeira, que participará de um grupo de trabalho formado por empresas do setor de redes sociais e comunidades, vê espaço para este segmento crescer, e cita como exemplo o fenômeno Twitter - microblog também conhecido como a última febre a dominar a rede mundial de computadores.

Para Madeira, o próximo passo da internet será rumo a uma maior integração entre produtores e consumidores de conteúdo. "Acho que vai ser algo no modelo do Terra: um grande drive de conteúdo profissional e a audiência, ao redor, contribuindo desde as coisas simples, como curar o conteúdo, deixar comentários, mandar fotos e participar da produção do conteúdo, com nossa orientação profissional."

Ainda sobre a discussão do "estar em rede", Madeira retoma o exemplo do Twitter para frisar o ponto. "A audiência quer seguir as pessoas, estar informada sobre o que elas estão fazendo. Esse é o drive da mídia digital."

Mudança de foco
Na comparação com o "All Things Digital" de anos anteriores, o presidente do Terra vê uma mudança de foco. "Esse ano é mais em mídia digital, há uns dois anos, era mais voltado à área de teconologia." A mudança se deve, afirma ele, com a própria redefinição do papel da internet na sociedade. "A internet sempre foi o meio mais importante dessa discussão, mas o que antes era uma ferramenta, hoje é uma necessidade."

Expectativas
Sobre quem está ansioso para ver, Madeira revela curiosidade no modo como os americanos envolvidos com a mídia digital lidam com a crise econômica mundial. "Nós aqui já passamos por várias crises, quero ver como é esse impacto nos gringos."

A avaliação do próprio Madeira para o segmento é favorável - ele espera descobrir agora se a opinião é compartilhada por seus pares. "Estive por lá (EUA) em março, e eles estavam otimistas quanto à internet ampliar sua função por causa da crise. Todo mundo está migrando para a internet. Agora, passados dois meses, quero ver o que os formadores de opinião vão falar."

A programação completa da "All Things Digital" pode ser conferida no site allthingsd.com.

Redação Terra