inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Censura na Wikipédia pode ter salvado jornalista sequestrado

01 de julho de 2009 09h50 atualizado às 10h16

David Rhode conseguiu escapar em junho, depois de sete meses de cativeiro. Foto: AP

David Rhode conseguiu escapar em junho, depois de sete meses de cativeiro
Foto: AP

Em novembro de 2008, o jornalista americano David Rhode, do New York Times, foi sequestrado pelo Talibã no Afeganistão, junto com um repórter local e seu motorista. Depois de sete meses, Rhode conseguiu fugir de seu cativeiro, e o sucesso dessa empreitada pode ter a ver com a não divulgação de seu paradeiro ou de quem ele era por nenhum veículo de mídia, inclusive o site Wikipédia.

» Guerra de palavras é travada nos limites da Wikipédia
» Wikipédia veta colaboração de membros da Cientologia
» Wikipédia poderá controlar conteúdo publicado no site
» Jornalista do NYT sequestrado por talibãs consegue escapar

Assim que soube do sequestro de seu jornalista, o New York Times resolveu manter segredo sobre o ocorrido, pois caso o movimento extremista Talibã soubesse do valor que Rhode representava aos Estados Unidos, poderia iniciar negociações com troca de prisioneiros, colocando sua vida em risco. "Quanto melhor o perfil do cativo, mais atenção ele recebe de seus captores - e menores são as chances de um final feliz", escreveu Matthew Sparkes no blog do site PC Pro.

Enquanto Rhode planejava sua fuga, o jornal em que trabalha começou uma luta para evitar que a informação fosse divulgada, e conseguiu que 35 canais de notícias não falassem nada a respeito do sequestro. Porém, havia um veículo muito difícil de ser controlado: a Wikipédia, feita colaborativamente por usuários e famosa por furar grandes sites de notícia em acontecimentos passados.

Após uma negociação com os editores da enciclopédia online, novas inserções foram controladas para que não trouxessem informações sobre Rhode, e qualquer citação sobre o jornalista era apagada. Um colaborador anônimo, do estado da Flórida, tentou publicar artigos sobre Rhode durante todo o período e ficou furioso com a censura. Como ele era anônimo, os editores da Wikipédia não podiam contatá-lo diretamente para explicar o motivo da intervenção, noticiou o TechCrunch.

"Por várias vezes os usuários publicaram atualizações sobre o sequestro na página de Rhode da Wikipédia, apenas para tê-las apagadas. Muitas vezes a página foi paralisada para prevenir edições - um jogo de gato e rato que claramente irritou as pessoas que estavam tentando espalhar a notícia do ocorrido", disse Richard Perez-Pena, repórter do New York Times, em uma nota.

Jimmy Whales, co-fundador da Wikipédia, falou no mesmo artigo: "Nós só conseguimos ajudar realmente porque a informação não apareceu em nenhum lugar que poderíamos considerar como fonte confiável. Teria sido muito difícil se isso tivesse acontecido". Todas as edições censuradas basearam-se na "desculpa" de que não haviam fontes de onde a notícia vinha, algo obrigatório na Wikipédia.

No final de junho, o jornalista conseguiu escapar do Talibã junto com o repórter local Tahir Ludin. O motorista que os acompanhava resolveu se juntar à organização que o sequestrou. Quando soube do sucesso da operação, Jimmy Wales afirmou em seu Twitter que esse esforço pode ter salvo a vida de Rohde. "Eu estou realmente orgulhoso de todos os 'Wikipedians' que tornaram isso possível, talvez tenhamos salvo a vida dele", disse.

Perez-Pena divulgou apenas no último dia 28 a fuga e todo o ocorrido envolvendo David Rhode, incluindo seu percurso pelo planeta e o sucesso de sua chegada aos Estados Unidos. Foram sete meses escondendo notícias a respeito do paradeiro de seu colega.

Mas a dita imprensa livre parece estar dividida. Inúmeras notícias e, especialmente, artigos de opinião publicados após sua fuga do cativeiro fazem a mesma pergunta: é válido censurar a Wikipédia e omitir informações nos grandes canais com a desculpa de ajudar a salvar uma vida? Sites como o Tech.Blorge e o Fast Company questionam a integridade e a imagem da enciclopédia depois do caso.

O fato mais importante observado em todo o acontecimento foi a união de veículos tão diferentes em prol de uma vida e também do sucesso da edição por parte dos membros da Wikipédia. Segundo o site PC Pro, hoje em dia não é mais possível o controle das informações e da mídia como era antigamente, e cita como exemplo o atual conflito no Irã. Mesmo com os esforços do governo voltados para atrapalhar o sistema de comunicação, a população conseguiu uma forma de se comunicar com o mundo, e invadiu canais públicos como o Facebook e Twitter. Manter a Wikipédia amordaçada foi, portanto, um feito que talvez nunca mais possa ser repetido.

Geek
Geek