inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Cientistas criam robô-morcego com músculos de metal

12 de julho de 2009 13h27 atualizado às 13h38

O robô foi desenvolvido para reproduzir os movimentos de um morcego. Foto: Divulgação

O robô foi desenvolvido para reproduzir os movimentos de um morcego
Foto: Divulgação

Miniaturas de aviões e helicópteros controladas por controle remoto já são bastante usados em sistemas de vigilância ou para explorar locais de difícil acesso. Agora, pesquisadores americanos estão trabalhando para criar morcegos robóticos que possam superar o desempenho e agilidade das máquinas atuais.

» Empresa cria helicóptero espião que cabe na palma da mão
» Presos usam helicóptero de controle remoto para contrabando
» Helicóptero-robô localizará plantações de maconha na Holanda

Para isso, a equipe da Universidade da Carolina do Norte buscou inspiração na natureza, analisando exaustivamente a estrutura óssea e muscular de morcegos para desenvolver um protótipo de robô voador que bate as asas como um desses animais.

O robô-morcego pesa apenas 6 gramas e é feito de uma liga metálica com alta elasticidade, que oferece ampla liberdade de movimentos mas sempre retorna a sua posição original, segundo o coordenador da equipe, Stefan Seelecke. "Esta é uma função desempenhada por vários músculos minúsculos, cartilagem e tendões em morcegos de verdade", diz o pesquisador.

Seelecke explica que o sistema muscular dos robôs usa uma liga metálica que responde ao calor de correntes elétricas. "O calor atua sobre fios ultrafinos, com a espessura de um fio de cabelo humano, fazendo com que eles se contraiam como 'músculos de metal'". Esse sistema permite que o robô responda rapidamente a mudanças de condições, como uma rajada de vento, exatamente da mesma maneira que um morcego real.

Além da utilização em sistemas de vigilância, Seelecke sugere que o robô-morcego também pode ajudar a ampliar os conhecimentos da aerodinâmica.

A pesquisa será apresentada em setembro em uma conferência da Sociedade Americana de Engenharia Mecânica, na Califórnia.

Redação Terra