inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Corredores que usam GPS criam nova forma de arte

21 de agosto de 2009 08h41

Três anos depois de se mudar da Polônia para Brooklyn, Tomasz Berezinski despertou depois de uma noite de embriaguez sentindo uma forte dor de cabeça, e decidiu que precisava mudar de vida. Começou a correr como exercício, adquiriu um aparelho de navegação GPS e passou a fazer de seu corpo o pincel e da cidade de Nova York a tela para suas obras.

» Fabricante lança aparelho de GPS feito para o Brasil
» Robô reproduz trajetória de vacas monitoradas por GPS
» GPS vai monitorar comportamento estudantil nos ônibus

"Eu me senti mal pelo que estava fazendo ao meu corpo", diz Berezinski, que trabalha como estilista para uma fábrica de tapetes. "Estava com excesso de peso. Bebia demais. Sentia o tempo todo que eu era uma dessas pessoas de escritório".

Desde aquela manhã, quase um ano atrás, Berezinski mudou de orientação e já disputou três maratonas, emagreceu 8 kg e passou a criar imensos desenhos por meio de corridas que traçam, no mapa de Nova York, figuras como rostos, cachorros ou qualquer outra imagem que desperte sua fantasia. Depois de planejar uma rota, ele a traça a pé ou de bicicleta, e carrega o aparelho de GPS consigo para registrar o percurso como imagem. Em seguida, ele sobe o "desenho" resultante para um site que permite compartilhamento de mapas, o everytrail.com.

Parte esporte e parte arte, os desenhos com GPS permitem que praticantes da corrida, caminhada, ciclistas e marcha se imaginem de maneiras novas -não apenas como uma coleção de músculos desgastados, axilas suadas, movimento dinâmico; não apenas como pessoas batalhando para superar mais uma colina ou perder dois quilos de peso. Em lugar disso, eles se tornam novos cartógrafos, desenhistas que utilizam uma cidade inteira como papel para os rabiscos. Os percursos que eles realizam por cidades, estradas e áreas rurais são compartilhados com todos os interessados via internet.

O Sistema de Posicionamento Global (GPS) é formado por mais de duas dúzias de satélites em órbita da Terra que transmitem informações aos receptores de GPS instalados em carros, motos, relógios para exercícios físicos e, cada vez mais, em celulares inteligentes como o iPhone e o BlackBerry. Cerca de 240 milhões de celulares inteligentes equipados com receptores de GPS serão vendidos em 2009, 6% acima do total do ano passado, a despeito da crise econômica, de acordo com o grupo de pesquisa de mercado Abi Research. "Em 2013, todos os celulares, excetuados os modelos mais básicos, conterão receptores de GPS", disse Dominique Bonte, o diretor de telemática e navegação no grupo de pesquisa.

Novos aplicativos para serviços GPS, como o MotionX GPS, RunKeeper e MapMyRun, que podem ser instalados em celulares inteligentes, facilitam aos usuários rastrear e compartilhar rotas por meio de sites de redes sociais como o Twitter e Facebook, o que faz dos aparelhos de GPS ferramentas viáveis de desenho, mais ou menos como um lápis sobre o papel ou um graveto sobre a areia.

Pedalando pelos quarteirões retangulares de San Francisco, Vicente Montelongo, 32 anos, artista gráfico, percebeu que a disposição das ruas da cidade oferecia uma semelhança com as formas quadradonas de personagens de videogame dos anos 80, como o Pac-Man, Q*bert e Donkey Kong. Ele voltou para casa e, usando um mapa impresso do Google e um lápis, desenhou rotas que representavam o Pac-Man perseguindo um monstro no bairro de Sunset, e depois saiu de bicicleta, carregando um iPhone equipado com aplicativo de mapeamento para GPS. Depois de um passeio de 13,8 km sem poder cometer um erro, ele subiu os dados de rastreamento de GPS registrados em seu celular, e obteve a imagem que desejava.

"É uma boa maneira de me exercitar e conhecer a cidade", disse Montelongo, que está trabalhando em uma série de desenhos por GPS baseados nos amados videogames de sua juventude. "Você termina percorrendo ruas que de outra forma jamais pensaria conhecer". Como Berezinski, Montelongo oferece seus mapas no site everytrail.com.

O iPhone é a ferramenta de GPS de mais rápido crescimento entre a base de usuários do site, de acordo com Joost Schreve, o criador do serviço. "Mas se você considerar a qualidade dos mapas, os melhores percursos ainda vêm de aparelhos de GPS tradicionais", ele disse, apontando que o iPhone tende a desenhar linhas menos precisas e a perder o sinal por sob árvores e perto de edifícios de grande porte.

Jeremy Wood, um artista de Londres, cunhou a expressão "desenho por GPS" há quase uma década, e ainda mantém o site gpsdrawing.com, que compila imagens produzidas com GPS por ele e outros artistas, em todo o mundo. Sempre que sai de casa, Wood leva o aparelho de GPS. Mapeou todos os seus movimentos desde 2004, e considera que o desenho por GPS é uma extensão de uma tradição humana já antiga.

"As pessoas o fazem há séculos, produzindo imensos desenhos que pudessem ser vistos pelos deuses", ele disse, mencionando os imensos geóglifos de Nasça, no Peru, como exemplo.

Mas esses geógrafos da imaginação moderna utilizam seus aparelhos e os movimentos de seus corpos para transmitir fantasias, causas, memórias e rabiscos mais pessoais - e desenhados em escala muito maior.

Tradução: Paulo Migliacci ME

The New York Times
The New York Times