inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

NaqaTube é a mais nova alternativa islâmica ao YouTube

01 de setembro de 2009 12h14

O portal islâmico NaqaTube apresenta muitos vídeos de conteúdos religiosos. Foto: Reprodução

O portal islâmico NaqaTube apresenta muitos vídeos de conteúdos religiosos
Foto: Reprodução

Depois de IslamicTube, ArabTube, VideoArab e outros sites islâmicos de compartilhamento de vídeos pela internet, foi criado recentemente na Arábia Saudita mais uma opção "moralmente pura" para o popular site norte-americano YouTube. O NaqaTube apresenta uma seleção de vídeos de diversos gêneros "purificados" de alusões sexuais, músicas e mensagens "profanas".

» Problema na web atrasa vídeo da Al-Qaeda sobre 11/9
» Software promete contatos seguros para militantes islâmicos
» Al Qaeda usa web para divulgar a ideologia do terrorismo

O NaqaTube (Naqa em árabe significa puro) apresenta muitos vídeos provenientes do próprio YouTube. Segundo o jornal La Repubblica, nos dez canais do site são apresentados muitos vídeos com conteúdos religiosos, mas também desenhos animados e documentários sobre a natureza.

Um dos moderadores do portal, entrevistado pelo jornal Arab News com um pseudônimo, explicou que o objetivo é que o conteúdo dos vídeos não ofenda o sentimento religioso. Deste modo, foram banidos da seleção do portal imagens de mulheres e vídeos musicais não muçulmanos, assim como materiais "hostis" ao governo saudita e aos seus padrões políticos e culturais.

"O sonho é conseguir diminuir o número de visitantes do YouTube. Nosso site recebeu entre 5 mil e 6 mil acessos no dia do seu lançamento, há dois meses", salientou o moderador, que também acrescentou que o objetivo é "promover um Islã moderado, nada de extremo".

Segundo a reportagem do La Repubblica, esta declaração teria sido um modo não explícito de demarcar sua diferença com os outros portais do gênero, que geraram polêmicas no passado.

O mais conhecido deles é o Aqsatube, do movimento palestino Hamas, que foi considerado por um centro de estudos israelenses como um instrumento de propaganda terrorista, acusado de publicar na internet imagens que esaltavam a Jihad (guerra santa) e o martírio até mesmo de crianças.

Redação Terra