inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

Tecnologia 3D revolucionará modo de assistir TV em 2010

09 de janeiro de 2010 10h23 atualizado às 10h35

A revolução da imagem em 3D chegará aos lares neste ano, após o bem-sucedido desembarque nas salas de cinema em 2009, onde os filmes como Avatar, Up - Altas aventuras e Monstros vs. Alienígenas acabaram com qualquer dúvida sobre a atrativa e rentável tecnologia.

Ainda no primeiro semestre, as grandes lojas começarão a vender as telas planas adaptadas para a emissão em 3D de fabricantes como Sony, Panasonic, LG, Toshiba e Samsung, que aproveitaram a participação nesta semana na feira Consumer Electronics Show (CES) em Las Vegas para apresentar seus novos produtos.

Entre as novidades estarão televisores equipados com imagens em 3D e modelos em 2D aptos a receber o novo sistema se o usuário assim quiser no futuro.

De qualquer forma, serão necessárias óculos polarizados ao estilo dos utilizados atualmente nos cinemas para assistir as imagens em 3D no conforto da sala de casa.

O setor da eletrônica colocou grandes esperanças no mercado doméstico de 3D, que se espera cause uma revolução para as vendas de equipamentos destinados ao entretenimento no lar, especialmente para os reprodutores Blu-ray, que não cumpriram com as expectativas com as quais saíram ao mercado: terminar com o reinado do DVD.

Além dos novos televisores, Samsung e Sony já anunciaram que as produções de Hollywood em 3D estarão disponíveis para o consumo doméstico por intermédio do Blu-ray e que serão colocados à venda novos dispositivos já com esta tecnologia.

Ficaram sem resposta, no entanto, as perguntas quanto ao preço que a novidade chegará ao consumidor, embora alguns analistas afirmem que é de se esperar que os primeiros modelos devem chegar com preços elevados para o cidadão médio.

Um dos poucos a se aventurar neste terreno, o jornal britânico Daily Telegraph, previu a venda dos televisores em 3D no Reino Unido com preços que devem oscilar de US$ 3 mil e US$ 5 mil (de 2 mil euros a 3,5 mil euro).

O alto custo poderia atrasar a implantação desta tecnologia nos lares, embora se considere uma questão de tempo os preços encontrarem o equilíbrio, como costuma ocorrer com as novidades dos produtos eletrônicos.

Um dos fatores-chave para dinamizar o mercado será a oferta de conteúdos, que até agora são poucos no que diz respeito à televisão. Neste ano, um campo que começará a florescer graças às produções em 3D de Hollywood e a criação de programação por meio de canais como o esportivo ESPN e o de documentários Discovery.

Filmes como Avatar, que já é a segunda maior bilheteira da história do cinema só atrás de Titanic, ainda tem pendente sua comercialização em Blu-ray e DVD, algo que não ocorrerá antes do Oscar, em março.

As mais que prováveis estatuetas do último filme de James Cameron ajudarão a manter o interesse sobre a produção que nasceu pensada para ser vista em 3D e que buscará manter esse formato quando for vendida para o consumidor doméstico.

Quatro dos 10 filmes que mais arrecadaram no mundo todo em 2009 foram exibidos em 3D, Avatar, Up-Altas aventuras, Monstros vs. Alienígenas e A Era do Gelo 3, além de outras como Um conto de Natal com Jim Carrey e Coraline, uma tendência que se consolidará em 2010 com títulos como Alice no País das Maravilhas e Shrek para Sempre, entre outros.

A rede de televisão a cabo ESPN estreará em junho um novo canal, ESPN 3D, com a transmissão de jogos do Mundial de Futebol da África do Sul entre as seleções do México e o país anfitrião, à qual se somarão outras 24 partidas do campeonato.

No total, a rede esportiva vai transmitir 85 eventos em 3D durante o primeiro ano do serviço, enquanto a Discovery, em aliança com Sony e Imax, lançará outro canal, ainda sem nome, para distribuir a cabo e por satélite conteúdo em 3D.

Falta saber quais são os planos das grandes empresas de tecnologia para o setor do videogame, onde o 3D oferece, sem dúvida, um universo de possibilidades.

EFE
EFE - Agência EFE - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agência EFE S/A.