inclusão de arquivo javascript

Tecnologia

 
 

EUA mandam PCs inúteis para nações pobres

25 de outubro de 2005 15h28 atualizado às 17h51

Menino leva equipamentos inúteis para um lixão em Lagos, na Nigéria. Foto: © Basel Action Network 2005/Divulgação

Menino leva equipamentos inúteis para um lixão em Lagos, na Nigéria
Foto: © Basel Action Network 2005/Divulgação

Computadores e outros equipamentos enviados dos Estados Unidos para países em desenvolvimento, para serem utilizados em lares, escolas e empresas, são em grande parte inúteis ou não têm conserto, e estão criando um enorme problema ambiental em alguns dos lugares mais pobres do mundo. A informação está no relatório The Digital Dump: Exporting Reuse and Abuse to Africa, lançado pela organização não-governamental Basel Action Networked (BAN), que tem sede em Seattle. A ONG critica duramente a estratégia dos Estados Unidos para livrar-se de seu lixo tecnológico.

  • Veja fotos dos lixões eletrônicos

    O relatório diz que os equipamentos obsoletos estão sendo doados ou vendidos por empresas norte-americanas que estão trocando suas máquinas como uma maneira de evitar a despesa que essas companhias teriam se fossem reciclar corretamente seus computadores. O estudo da BAN foca principalmente a Nigéria, na África ocidental, mas afirma que a situação é semelhante em muitos países em crescimento, conforme reportagem publicada no New York Times. O relatório pode ser lido (em inglês) no site da BAN: www.ban.org .

    "Frequentemente, a justificativa de estar construindo 'pontes sobre a brecha digital' é usada como desculpa para disfarçar e ignorar o fato de que essa pontes servem para transferir lixo tóxico", diz o relatório da ong. Como conseqüência, a Nigéria e outras nações em desenvolvimento estão carregando uma carga desproporcional do lixo mundial oriundo dos produtos de tecnologia, de acordo com Jim Puckett, coordenador da BAN.

    O porto da capital nigeriana, Lagos, recebe mensalmente contêineres com equipamento eletrônico de segunda mão. Cada contêiner tem em torno de 800 computadores, o que soma 400 mil máquinas usadas a cada mês. "Os nigerianos nos dizem que estão recebendo em torno de 75% de equipamentos inutilizados, que não podem ser consertados", disse Puckett.

    A ONG visitou Lagos onde verificou que, apesar da crescente indústria de tecnologia, o país não tem infra-estrutura para reciclar os componentes desta indústria. Assim, os equipamentos inúteis vão parar em aterros ou lixões a céu aberto, onde as toxinas podem poluir o solo, a água e criar condições insalubres. De acordo com o Conselho Nacional de Segurança dos EUA, mais de 63 milhões de computadores se tornarão obsoletos no país em 2005. Esses equipamentos contêm chumbo, cádmio e plásticos variados, entre outros componentes, todos nocivos ao meio ambiente e aos seres humanos.

    Puckett disse ao NYT que a BAN identificou 30 recicladores nos Estados Unidos que concordaram em não exportar lixo eletrônico para nações em desenvolvimento. "Estamos lutando para que se torne uma prática comum o teste e a certificação do material enviado", afirmou. A ONG trabalha também para reforçar a COnvenção da Basiléia, um tratado da ONU que tenta limitar o comércio de sobra de materiais perigosos. Os Estados Unidos são o único país desenvolvido que não assinou o tratado.

    Em 2002, a Basel Action Network foi co-autora de outro relatório destacando que 50% a 80% dos equipamentos eletrônicos usados coletados para reciclagem nos Estados Unidos era desmontado e reciclado sob condições irregulares e nocivas à saude na China, na Índia, no Paquistão e em outras nações em desenvolvimento. O novo relato reforça: os americanos podem ser enganados ao pensar que seus velhos PCs estão sendo postos a serviço do bom uso.

  • Redação Terra