Internet

publicidade
16 de abril de 2012 • 12h14 • atualizado às 12h15

Apple e Facebook ameaçam liberdade da web, diz fundador do Google

Brin disse que se a internet fosse dominada pelo Facebook, o motor de busca do Google não teria sido criado
Foto: Getty Images

A liberdade universal que permitiu a criação da internet há décadas está atualmente ameaçada pela ação de "forças muito poderosas" que querem controlá-la, afirmou o cofundador do Google Sergey Brin em um entrevista publicada nesta segunda-feira pelo jornal britânico The Guardian. Brin diz que essas "forças" estão se alinhando contra a abertura oferecida pela internet, afirma que está mais asssustado do que nunca e que a situação atuial é "assustadora".

Na entrevista, Brin explica que a ameaça à liberdade da internet vem de governos que buscam controlar o acesso e a comunicação dos cidadãos, das tentativas da indústria do entretenimento para reprimir a pirataria e também do Facebook e da Apple, que controlam o software que pode ser usado em suas plataformas. O executivo é considerado a principal força pela retirada parcial, em 2010, do motor de busca da China, por preocupações com a censura no país.

Ele disse que estava mais preocupado com os esforços de países como China, Arábia Saudita e Irã para censurar e restringir o uso da internet, mas advertiu que a ascensão do Facebook e Apple, que têm suas próprias plataformas proprietárias e controlam o acesso aos seus usuários, arrisca sufocar a inovação na web. "Há muito a perder. Por exemplo, todas as informações em aplicativos - cujos dados não são rastreáveis - não podem ser pesquisados", disse.

De acordo com o The Guardian, as críticas de Brin contra o Facebook podem ser controversas, já que a empresa de Mark Zuckerberg está perto de se tornar uma empresa pública. Segundo o executivo, ele e Larry Page, CEO e o outro fundador do Google, não poderiam ter criado o buscador se a internet fosse dominada pelo Facebook, pois "teriam que jogar com as suas regras, que são realmente restritivas".

Terra