2 eventos ao vivo

Barack Obama e papa Francisco são os líderes da "Twiplomacia"

24 jul 2013
18h13
atualizado às 18h27
  • separator
  • 0
  • comentários

O mundo real ficou pequeno para Barack Obama e o papa Francisco, que são os líderes no mundo virtual do Twitter, que se transformou em um elemento chave para se atingir o público.

<p>Perfil de Obama tem mais de 33 milhões de seguidores e é o mais seguido do mundo</p>
Perfil de Obama tem mais de 33 milhões de seguidores e é o mais seguido do mundo
Foto: AP

Obama e o Papa são os reis do que um estudo publicado nesta quarta-feira em Genebra chamou de "Twiplomacia", uma ferramenta que permite aos líderes mundiais divulgar sua mensagem para uma audiência crescente e aproximar os cidadãos, pelo menos em teoria, de seus governantes.

O presidente americano é o líder indiscutível dessa rede social, onde sua conta particular (@BarackObama) - com mais de 33 milhões de seguidores - é a mais seguida do mundo, diz o relatório "Twiplomacy 2013" publicado em Genebra pela empresa de relações públicas Burson-Marsteller.

O domínio da política americana no mundo não para por aí. A conta da Casa Branca (@WhiteHouse) - com 4 milhões de seguidores - é a terceira mais seguida do planeta.

<p>A cargo do papa Francisco, conta do líder da Igreja Católica passou a ser a segunda mais seguida do mundo com 7 milhões de seguidores</p>
A cargo do papa Francisco, conta do líder da Igreja Católica passou a ser a segunda mais seguida do mundo com 7 milhões de seguidores
Foto: José Mauro Pimentel / Terra

No entanto, apesar de as contas serem seguidas por um terço dos líderes políticos e governos do mundo, Obama não utiliza o Twitter para estabelecer conexões com seus colegas. "A conta @BarackObama só segue os primeiros-ministros da Noruega, Jens Stoltenberg, e da Rússia, Dmitri Medvedev. @WhiteHouse só segue três líderes mundiais", afirmou o relatório.

A grande revelação deste ano foi a utilização do Twitter por parte do máximo representante da Igreja Católica, com a qual tentou dar uma reviravolta nas formas tradicionais da instituição para transmitir sua mensagem.

O perfil @Pontifex, com mais de nove contas em diferentes idiomas, foi aberto em dezembro do ano de 2012 sob o pontificado de Bento XVI; agora, a cargo do papa Francisco, passou a ser a segunda mais seguida do mundo com 7 milhões de seguidores.

Além disso, a conta do Papa é uma das mais influentes do mundo e seus tweets são retuitados em média 11 mil vezes; enquanto os de Obama são apenas retuitados em média 2,3 mil vezes, mesmo com cinco vezes mais seguidores.

Em relação ao número de seguidores, em quarto e quinto lugar estão o presidente da Turquia, Addullah Gül, e o primeiro-ministro desse país, Recep Tayyip Erdogan, cada um com mais de 3,4 milhões de seguidores.

Por outro lado, o estudo mostra que mais de três quartos dos líderes mundiais possuem uma conta no Twitter (77,7%) e entre eles, dois terços (68%) estabelecem conexões mútuas com seus colegas.

Entre os líderes mais conectados com outras figuras políticas se destacam o ministro das Relações Exteriores da Suécia, Carl Bildt, seguido pelo Serviço Europeu de Ação Exterior e pelos ministérios das Relações Exteriores de Polônia, Reino Unido e França.

Por outro lado, o primeiro-ministro de Uganda, Amama Mbabazi, é um dos que mais estabelece o diálogo na rede social e responde a 96% dos tweets que o mencionam. "O documento ilustra como o Twitter e os meios de comunicação social se transformaram em uma parte importante da comunicação dos governos", declarou o diretor-geral da Burson-Marsteller para Europa, Oriente Médio e África, Jeremy Galbraith.

Apesar da importância que os líderes políticos dão para a comunicação nas redes sociais, ainda continuam utilizando essa plataforma de forma majoritariamente unidirecional. Um total de 42 contas entre as 505 analisadas de 153 países diferentes não seguem nenhum outro perfil do Twitter. 

EFE   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade