Internet

publicidade
02 de junho de 2010 • 17h57 • atualizado às 18h41

Chávez atinge meio milhão de seguidores em um mês no Twitter

Chávez conta com uma equipe de 200 pessoas para atualizar seu perfil
Foto: Reprodução

O perfil no Twitter do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, atingiu meio milhão de seguidores em seu primeiro dia no ar. Um número considerável, mas bem abaixo do milhão previsto por seguidores de Chávez, dono do perfil mais popular entre os políticos venezuelanos.

Na conta @chavezcandanga, Chávez dá ordens a ministros e funcionários, responde diariamente a mensagens de venezuelanos e de simpatizantes estrangeiros e também enfrenta críticas. Nesta quarta-feira, seus seguidores chegaram a 501.400.

A meta de um milhão de seguidores foi estabelecida pela Embaixada da Venezuela em Washington, Estados Unidos, ao anunciar a criação da conta no Twitter. Chávez conta com uma equipe de 200 pessoas para responder às mensagens e também fazer comentários.

"Como vão? Apareci, como disse, à meia-noite. Vou para o Brasil muito feliz de trabalhar pela Venezuela. Venceremos", foi a primeira mensagem postada pelo presidente venezuelano no Twitter, no dia 28 de abril.

Desde então, além de serem retransmitidos pela TV, praticamente todos os numerosos atos públicos com a participação de Chávez são tema de mensagens postadas no Twitter por seu telefone celular.

Além da conta no Twitter, o autoproclamado "líder do socialismo do século XXI" criou recentemente um blog (www.chavez.org.ve), o qual, no entanto, não tem tanta audiência.

A iniciativa marca o que Chávez chama de "ofensiva comunicacional" para fazer frente à "permanente desinformação" de que acusa os meios de comunicação venezuelanos de manterem sobre seu governo.

Apesar do número de seguidores ser apenas metade do previsto, o perfil é considerado um sucesso, fazendo Chávez ter convidado outros líderes da "revolução bolivariana", como o presidente da Bolívia, Evo Morales, e o líder cubano Fidel Castro, a usarem o Twitter como parte da "batalha ideológica".

Redação Terra