0

Ciberataque: vírus simula banco, rouba contas e afeta celulares

Ciberataque rouba 36 milhões de euros de contas europeias

5 dez 2012
20h39
atualizado às 21h30

Mais de 36 milhões de euros foram roubados de 30 mil contas bancárias na Europa no ataque cibernético denominado "Eurograbber", segundo um relatório publicado nesta quarta-feira por duas empresas dedicadas à segurança de internet.

Infográfico: Phishing: conheça o golpe e veja dicas para se proteger
Infográfico: Ciberguerra: conheça os vírus Stuxnet, Flame, Duqu e Gauss

O ataque afetou computadores e telefones celulares entre janeiro e agosto deste ano, segundo confirmou à Agência Efe Mario García, diretor-geral na Espanha da Check Point, fabricante de produtos de segurança online, que descreveu o vírus como "simples, mas muito avançado".

Foi a Check Point que, no último mês de agosto, descobriu e denunciou o ataque à polícia europeia, além de alertar as entidades bancárias afetadas. García explicou à Efe o procedimento de invasão do vírus: após acessar certos links, o "malware" (software maligno) se instala no computador e permanece inativo até o usuário se conectar com sua conta bancária.

Simulando ser o banco, o "malware" envia uma advertência ao usuário sobre atualização e melhoria de segurança e solicita o número de celular, motivo pelo qual o software maligno também afeta esse aparelho e interfere nas mensagens que os bancos enviam como processo de autenticação.

Com a informação e o número de autenticação da transação, os criminosos podem executar transferências paralelas às do próprio usuário. "Se você transfere, por exemplo, 100 euros, eles podem roubar outros 100 e você não vê nenhum mudança, nem na tela do computador, nem no celular", explicou García.

O dinheiro vai parar nas contas de terceiros aos quais os criminosos ofereceram uma comissão em troca das transferências, acrescentou García. O diretor da empresa reconheceu que existem "muito poucas possibilidades" de descobrir quem são os infratores, mas que os bancos já foram alertados.

EFE   

compartilhe

publicidade