5 eventos ao vivo

Facebook e Android são novos alvos preferidos dos vírus

6 set 2012
07h21
atualizado às 09h14
Leopoldo Godoy
Direto de Nova York

O sistema operacional Windows e o e-mail têm perdido prestígio entre uma parcela relevante do mundo digital: os cibercriminosos. Nos próximos anos, segundo especialistas em segurança digital, os principais alvos dos criadores de vírus e softwares maliciosos em geral passarão a ser celulares e tablets com sistema Android, do Google, e a rede social Facebook.

Pavel Krcma, chefe do laboratório de vírus da AVG, diz que malwares buscam desde dados bancários a senhas de acesso em redes sociais
Pavel Krcma, chefe do laboratório de vírus da AVG, diz que malwares buscam desde dados bancários a senhas de acesso em redes sociais
Foto: Leopoldo Godoy / Terra

Ainda há mais spam enviado por e-mail do que pelo Facebook, assim como ainda há mais vírus conhecidos para PC do que para Android, que ainda são menos de 1% do total de códigos maliciosos listados pelo laboratório de vírus da AVG, desenvolvedora de softwares de segurança. Mas os especialistas alertam para a eficiência obtida no ataque a essas plataformas, além de tendências do mercado, para apostar no crescimento da importância de ambos.

Em comum entre os dois alvos, do ponto de vista dos hackers, está a possibilidade de lucrar com o crime. "Seu celular está conectado à sua conta telefônica, ao seu número de cartão de crédito, à sua senha bancária. Para os criminosos, são muitas possibilidades de obter dinheiro fácil", afirma Omri Sigelman, responsável pela divisão de produtos móveis da AVG.

Com menos sujeira do que a caixa de entrada de e-mails, páginas pessoais têm se tornado o alvo predileto de hackers em busca de um local para publicar links que escondem conteúdo nocivo. E depois de roubar a senha de um usuário do Facebook, é possível enviar esses links para toda a lista de contatos da vítima, com uma boa chance de leitura da mensagem.

De acordo com o chefe do laboratório de vírus da AVG, Pavel Krcma, o Facebook tem sido o principal campo de atuação dos chamados malwares mais modernos. "São códigos complexos, que buscam desde informações bancárias a senhas de acesso em redes sociais. Ao conseguir uma dessas senhas, o programa a utiliza para propagar uma mensagem com links que podem infectar novas vítimas", afirma.

Já no Android, a principal isca utilizada por cibercriminosos são versões completas de aplicativos. Hackers injetam softwares espiões em versões piratas de jogos populares e os oferecem gratuitamente. Ao instalar o app, o celular da vítima fica infectado. Segundo Krcma, que comanda um laboratório que recebe cerca de 100 mil notificações de possíveis novos vírus por dia, os programas nocivos para Android ainda são menos avançados do que os para PC.

Para Krcma, o crescimento da preocupação com segurança na plataforma Android não é um indício de insegurança no sistema operacional, e sim do crescimento do mercado destes aparelhos. "Os criminosos investem onde existem mais vítimas em potencial. Não há vírus, por exemplo, para Windows Phone, porque há poucos aparelhos em operação com este sistema. O Android é baseado em Linux, sistema tradicionalmente seguro, mas como é o líder entre as plataformas móveis, isso atraiu a atenção dos hackers", diz.

Há ainda um elemento do comportamento dos usuários que colabora com o risco de infecção. Diferentemente da plataforma iOS, da qual fazem parte o iPhone e o iPad, e onde só é possível instalar aplicativos aprovados pela Apple, o Android é mais livre. Quem quiser pode baixar e utilizar programas sem o aval da loja oficial de apps do Google. O preço dessa liberdade é tornar-se responsável pela segurança de arquivos baixados em locais desconhecidos.

Leopoldo Godoy viajou para Nova York a convite da AVG.

Fonte: Terra
publicidade