0

Facebook é processado para retirar página que "vigia" pedófilos

27 nov 2012
14h41
atualizado às 15h32

Um norte-irlandês com antecedentes de crimes sexuais apresentou um processo legal contra o Facebook para obrigar a rede social a tirar do ar um perfil criado para vigiar as atividades de pedófilos na Irlanda do Norte, confirmaram nesta terça-feira fontes judiciais.

Supostos pedófilos denunciados no Facebook estão temendo por sua vida
Supostos pedófilos denunciados no Facebook estão temendo por sua vida
Foto: AFP

Infográfico: Confira curiosidades sobre o Facebook e seu bilhão de usuários

O homem, que não pode ser identificado por razões legais, também solicitou à Suprema Corte de Belfast que o perfil do Facebook, criado sob o título "Mantendo nossas crianças a salvo dos predadores", não volte a publicar fotografias e detalhes pessoais seus.

O litigante afirmou à instância judicial que, depois de ver sua fotografia na página e de ler os comentários dos usuários, passou a temer por sua vida.

Segundo informou hoje a rede BBC, essa pessoa, que afirma ter problemas de saúde, está em regime semiaberto após cumprir em prisão uma sentença por cometer "crimes sexuais".

Durante a audiência, o juiz instrutor Bernard McCloskey declarou hoje que o litigante diz ter "medo e ansiedade", enquanto "assegura que notou uma clara mudança na atitude de seus vizinhos".

Embora a defesa da Facebook Ireland Ltd tenha lembrado hoje que a empresa retirou a fotografia e os comentários do norte-irlandês, seus advogados insistiram que a rede social deve eliminar o perfil completo.

Um porta-voz da Comissão de Proteção de Dados da Irlanda (DPC) informou à Agência Efe que as autoridades da República da Irlanda acompanham o "caso de perto" e poderiam tomar alguma ação a respeito "se considerassem necessário".

A DPC tem a responsabilidade de garantir que a rede social opere de acordo com a legislação irlandesa e europeia, dado que a "Facebook Ireland Ltd." tem sua base de operações internacionais em Dublin, de onde atende a contas de milhões de usuários registrados fora dos Estados Unidos e do Canadá.

EFE   
publicidade