1 evento ao vivo

Foragido, pioneiro do antivírus diz que polícia planta provas

30 nov 2012
08h02
atualizado às 08h05

Se escondendo da polícia há 20 dias, o milionário John McAfee, criador da marca de antivírus que leva o seu nome, disse em seu blog que a polícia de Belize, onde vive e atualmente está fugindo das autoridades, tem plantado provas para incriminá-lo.

McAfee está fugindo da polícia de Belize desde o dia 11 de novembro
McAfee está fugindo da polícia de Belize desde o dia 11 de novembro
Foto: Reuters

Infográfico: Ciberguerra: conheça os vírus Stuxnet, Flame, Duqu e Gauss
Infográfico: Jogo da memória: conheça hackers famosos e seus feitos

Num dos textos publicados nesta sexta-feira, McAfee declara que doou para a polícia de Belize 40 armas de choque - "ainda na caixa" - há quatro semanas. Segundo ele, amigos na polícia disseram que "alguém, em algum momento, abriu uma das caixas e colocou um saco de cocaína dentro". Mais tarde, numas das oito operações de busca e apreensão realizadas em sua propriedade, nas contas de McAfee, a cocaína foi encontrara na sua casa.

"Tenho certeza que minhas digitais estarão em qualquer coisa incriminadora que a polícia alegue que é minha. Eles tiveram acesso livre à minha propriedade", escreve McAfee.

A última vez que a polícia entrou em sua casa, diz McAfee, foi nessa quinta-feira. Eles teriam passado três horas vasculhando a propriedade do milionário em San Pedro. "Eles prenderam o pai de uma amiga, ameaçaram usar a arma de choque nele e prenderam e aterrorizaram a caseira", denuncia, acrescentando que a polícia também pegou seus computadores e mudou sua senha do Yahoo.

De acordo com relatos da mídia local, a polícia nega a última operação.

Entenda o caso
John Mcafee é o principal suspeito do assassinato do expatriado americano Gregory Faull, seu vizinho em San Pedro, Belize, país da costa nordeste da América Central, ao lado do México e da Guatemala. Faull foi encontrado morto com um tiro na cabeça na noite do dia 10 de novembro em sua casa. A polícia procurou Mcafee no domingo (11) para interrogatório, mas ele se enterrou em um buraco na areia da praia, de onde observou a movimentação policial por 18 horas, e escapou dos agentes.

Para continuar fugindo da polícia, Mcafee também pintou o cabelo. Ele permanece escondido. De acordo com o jornal El País, o milionário anda armado como um mercenário em Belize. Desde que iniciou sua fuga, Mcafee acusou ex-funcionários de planejarem incriminá-lo e matá-lo e, numa entrevista, negou ser paranóico.

Segundo Mcafee, que vem relatando sua fuga em um blog, ele está 'na mira' das autoridades desde que se negou a fazer uma contribuição a um político local. Em abril deste ano, ele teve sua casa em Belize invadida por policiais, que encontraram um laboratório de química, US$ 20 mil e um estoque de armas de fogo. Mcafee chegou a oferecer US$ 25 mil como recompensa para quem provar sua inocência. Em 2010, Mcafee vendeu para a Intel a empresa que criou em 1980. Desde então, não tem mais participação na companhia, que ainda leva seu nome.

Fonte: Terra

compartilhe

publicidade