Internet

publicidade
04 de julho de 2012 • 08h37

Google fecha iGoogle, Vídeos e outros 3 produtos em "faxina"

iGoogle será descontinuado em 1ª de novembro de 2013
Foto: Reprodução
 

O Google anunciou mais uma "faxina geral" entre seus produtos vai fechar mais cinco serviços nos próximos meses. Esse já é o sexto lote de produtos descontinuados ou integrados a outros desde que o cofundador da companhia Larry Page assumiu o cargo de CEO, em abril do ano passado, totalizando mais de 30 serviços afetados.

O Google Vídeo, serviço que o Google criou antes de comprar o YouTube e não recebe uploads desde 2009, terá todo seu conteúdo movido para o YouTube. Os usuários do serviço terão até 20 de agosto para migrar, apagar ou baixar seu conteúdo. Depois desse prazo, todos os vídeos serão transferidos para o YouTube como vídeos privados, que devem ser gerenciados por cada usuário.

Outro serviço extinto será o iGoogle, uma página personalizada do Google que permite aos usuários adicionar notícias, fotos ou previsão do tempo lançada em 2005. "Com aplicativos modernos que funcionam em plataformas como Android e Chrome, a necessidade do iGoogle corroeu ao longo do tempo, por isso vamos descontinuá-lo. Os usuários terão 16 meses para ajustar ou exportar seus dados", afirmou o Google em post no blog oficial.

Além disso Google Mini, uma oferta de serviço para empresas lançado em 2005, será descontinuado em 31 de julho, já que suas funcionalidades podem ser melhor fornecidas por outros produtos. O Google Talk Chatback, um widget do Google Talk que permitia que sites interagissem com seus visitantes, também será descontinuado. O Google está incentivando os sites a usarem a barra do Meebo, serviço de chat que a gigante da internet comprou no começo de junho.

O Google está aposentando tamém o aplicativo de pesquisa para o sistema operacional móvel Symbian, da Nokia. O Google afirma que irá concentrar seus esforços na pesquisa de internet móvel e encoraja os usuários do Symbian a tornarem O Google a página inicial nos seus celulares.

"O fechamento de produtos sempre envolve escolhas difíceis, mas nós pensamos muito sobre cada decisão e suas implicações para os nossos usuários. A racionalização dos nossos serviços permite que o nosso foco na criação de uma tecnologia bonita que vai melhorar a vida das pessoas", afirma a companhia em post no blog oficial.

Terra Terra