0

Hackers: ataques contra Israel vão continuar

20 nov 2012
09h54
atualizado às 10h24

Hackers que lançaram ataques contra 663 sites israelenses na semana passada em apoio a Gaza disseram que não vão encerrar suas ações enquanto "a morte de inocentes continuar", informa o site Huffington Post.

Grupo hacker Anonymous incentivou ataques a Israel e promete continuar agindo
Grupo hacker Anonymous incentivou ataques a Israel e promete continuar agindo
Foto: EFE

Infográfico: Ciberguerra: conheça os vírus Stuxnet, Flame, Duqu e Gauss
Infográfico: Jogo da memória: conheça hackers famosos e seus feitos

Apesar dos esforços por trás de 60 milhões de tentativas de ataques, autoridades israelenses declararam que apenas um site de backup foi afetado pelas ações, e por alguns minutos somente. A única vítima foi o site Groupon em Israel.

Por trás dos ataques, diz o Huffington, está o grupo Anonymous. O ataque foi precedido pela divulgação da hashtag #OpIsrael nas redes sociais. Páginas oficiais de Israel, incluindo o Ministério das Relações Exteriores e o Banco de Jerusalém, teriam sido afetadas, conforme informações divulgadas no final de semana, dia dos ataques. O site oficial do governo permaneceu bloqueado durante vários minutos.

Além dessas, páginas do partido liberal Kadima, da prefeitura de Tel Aviv, de empresas de turismo e blogs favoráveis ao governo também viraram alvo do Anonymous. "Este ataque ocorre em resposta à injustiça contra o povo palestino", de acordo com integrantes do grupo. "Vocês não ficarão em segurança." Em um comunicado, os hackers afirmaram que o que está acontecendo na Palestina é "opressão".

"Eles não têm frota, nem Exército ou Força Aérea. Não há guerra em Gaza. Esta é apenas a continuidade da execução da força militar por parte de Israel em uma tentativa de tirar até a última pessoa do Estado da Palestina ", disse o Anonymous que, no entanto, pediu aos envolvidos que encontrem "pontos em comum para acabar com a violência".

Fonte: Terra
publicidade