publicidade
11 de abril de 2012 • 17h03

Instagram: backups de imagens crescem após compra pelo Facebook

Serviço Instaport viu crescimento de 400 para 25 mil usuários diários
Foto: Reprodução
 

Com a compra do Instragam pelo Facebook, serviços que permitem download das fotos filtradas pelo aplicativo começaram a receber uma quantidade massiva de usuários. Isso pode ser um indício de que, mais do que reclamar em redes sociais, usuários de iPhone - e, desde a semana passada, de Android - parecem ter a intenção de deletar suas contas no serviço com mais de 30 milhões de pessoas, segundo o Mashable.

O motivo é que, com a aquisição, as imagens e os dados de geolocalização dos usuários do Instagram passam a ficar ao alcance do Facebook, que por sua vez pode vendê-los a empresas de marketing ou usá-los para vender anúncios. Além disso, os usuários temeriam as políticas de privacidade da maior rede social do mundo.

O possível "êxodo" do Instagram estaria sendo observado pelo alto movimento nesses sites, comprovado por uma lentidão no acesso a eles - o que não foi confirmado como sobrecarga dos servidores individuais ou do API do Instagram. O app móvel tem um API que possibilita a desenvolvedores o acesso ao streaming de fotos e comentários, o que permitiu a criação de da versão web do aplicativo, e de visualizadores desktop como o Followgram e o Instagrille, e serviços de download como o Instaport. Este último, por exemplo, teria informado ao The Atlantic que os usuários únicos subiram de 400 para 25 mil nas primeiras horas do anúncio da aquisição pelo Facebook.

Outros serviços que permitem baixar/fazer backup das fotos do Instagram são: Copygram, InstaDesk (pago e para OS X) e SocialFolders (que funciona com outras redes também). O Instagrid não copia as fotos para o HD, mas é uma opção para quem vai deletar a conta no app e não quer deixar de ter acesso a fotos de seus usuários favoritos - com o serviço, é possível recebê-las por e-mail.

O possível "êxodo" dos usuários do Instagram deve ser tomado com cautela. O movimento dos usuários nos serviços de download pode indicar o desejo de backup, ou apenas uma incerteza quanto ao futuro da existência do aplicativo, e não efetivamente uma "fuga" por causa da aquisição pelo Facebook.

Terra