13 eventos ao vivo

"Instagram e Vine nos ajudam", diz criador do Socialcam

21 jul 2013
10h32
atualizado às 10h32
  • separator
  • 0
  • comentários

Michael Seibel ajudou a criar o aplicativo de gravação e compartilhamento de vídeos Socialcam quando tinha 28 anos, sua segunda experiência no mundo das startups voltadas às produções visuais de usuários comuns. Na época, nem o Twitter tinha o Vine, ferramenta para vídeos de até 6 segundos, nem o Instagram tinha função para imagens em movimento, lançada em junho deste ano. Mas Seibel não vê esses serviços como concorrentes, ao contrário, ele conta ao Terra que os supostos rivais estão contribuindo para o Socialcam.

<p>Michael Seibel, cocriador e ex-CEO do app Socialcam, acredita no vídeo como futuro da expressão</p>
Michael Seibel, cocriador e ex-CEO do app Socialcam, acredita no vídeo como futuro da expressão
Foto: Divulgação

"Eles estão no meio do caminho entre foto e vídeo, são (vídeos) muito curtos", explica, "mas é ótimo para nós, porque fazem o vídeo parecer algo simples", continua. Para Seibel, uma vez que os usuários estejam confortáveis com as câmeras, migrarão para um serviço como o Socialcam, que permite filmagens com maior duração. "O BlackBerry popularizou o e-mail no celular, mas quando o iPhone foi lançado, elas viram que era aquilo que elas queriam", compara.

Quanto ao YouTube, o empresário diz não saber se vê ou não uma rivalidade, porque não consegue posicionar o site em relação ao público. "Às vezes parece que o YouTube quer ser um repositório de conteúdo feito pelos usuários. Mas ao mesmo tempo o site tem uma verba milionária para produções profissionais. Então se eles estão querendo acabar com Hollywood, não competem com a gente", brinca.

Vídeos são o futuro

A experiência com o Socialcam e com o Justin.TV - site para transmissões ao vivo, em que o americano empreendeu antes do aplicativo - fazem Seibel acreditar que os vídeos são a forma do futuro para as pessoas se expressarem. "Observamos que 60% dos vídeos no Socialcam são comunicações: pessoas falando com as câmeras", aponta.

"As fotos levaram cerca de 100 anos entre serem algo que só especialistas faziam para algo que qualquer um faz. O vídeo deu um grande pulo. As pessoas estão se expressando via vídeos, a imagem em movimento está tomando conta", avalia. Os números do Socialcam seriam uma prova. Enquanto startup independente, o Socialcam agregou 16 milhões de usuários, do lançamento em março de 2011, a agosto de mesmo ano, quando foi comprado pela Autodesk. Nos últimos 11 meses, cresceu 57% e atingiu a marca de 25 milhões de downloads - 500 mil só no Brasil.

App Socialcam permite gravar e compartilhar vídeos
App Socialcam permite gravar e compartilhar vídeos
Foto: Divulgação

A barreira da tecnologia está praticamente superada, avalia, uma vez que as câmeras estão hoje disponíveis em quase todos os aparelhos de celular e tablet. Mas ainda é preciso que as pessoas se sintam menos intimidades com as lentes. Por isso o aplicativo que ajudou a criar busca formas de deixar o usuário à vontade com as câmeras.

Uma das táticas do Socialcam, nesse sentido, foi não permitir a edição dos vídeos. "No Justin.TV identificamos que as pessoas queriam uma forma rápida, fácil, ágil e social de trocar vídeos", conta Seibel, sobre a ideia de lançar o app. Além de agilizar a produção, não ter uma ferramenta de edição também desinibe o usuário, que sabe que os outros vídeos no sistema também não foram editados. O feed com conteúdos de amigos é outro 'empurrãozinho', pois mostrar que "muitas pessoas fazem vídeos".

Feedback do usuário
O empresário americano conta que o feedback do usuário tem ajudado o aplicativo a oferecer ferramentas que ampliam a utilização do app e a comunidade formada por ele. O primeiro exemplo é a opção de publicar um vídeo como 'privado'. "São poucas as pessoas que usam, mas elas querem ter a opção de publicar algo privado de vez em quando", explica. O lançamento da ferramenta deu um aumento imediato de 20% do volume de vídeos, lembra.

A opinião desses usuários é medida de duas formas: quantitativa e qualitativa. Na primeira, a rede social analisa dados como onde os usuários clicam, que tipo de dados são visualizados, e informações do gênero. A qualitativa é feita a partir de conversas com usuários. "Levamos alguns deles para o escritório, observamos como usam o app. Às vezes dá muito agonia que a gente vê alguém querendo fazer alguma coisa, e o botão está bem ali frente, mas ele não vê", ilustra.

Aplicativo oferece ferramentas para gravar usando filtros, e para inserir legendas e trilha sonora
Aplicativo oferece ferramentas para gravar usando filtros, e para inserir legendas e trilha sonora
Foto: Divulgação

Outra lição aprendida com a comunidade do Socialcam é sobre os filtros. O aplicativo permite, hoje, a escolha de alguns filtros na hora de filmar uma cena. "Fomos ingênuos, acho que não entendemos o valor dos filtros", confessa Seibel, que admite que o sucesso do Instagram fez a equipe repensar sua posição. O time focava-se em proporcionar uma experiência fácil, mas se deu conta de que "se o usuário não é um cinegrafista ótimo, vai querer uma ajuda para fazer vídeos melhores". A possibilidade fez o número de vídeos triplicar no serviço.

Dinheiro e perspectivas
O Socialcam começou com uma equipe de três pessoas, e hoje consiste em um time de oito. Eles ainda não pensam em monetizar o app, disponível gratuitamente para Android e para iOS.

"Você não pode pensar em monetizar um serviço até ele ser massivo. Nossa frente de ataque, agora, é fazer o Socialcam crescer", resume o empresário e ex-CEO da startup que criou o app.

"Até agora, ninguém ganha dinheiro com vídeos, a não ser o YouTube", aponta. Mas o mercado está pronto para a chegada de mais serviços. "Antes, tudo era uma droga. Agora não existe mais a barreira do hardware. Precisamos construir produtos cada vez melhores para fazer as pessoas entenderem (o potencial dos vídeos)", conclui.

 

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade