2 eventos ao vivo

MySpace dá três dicas de sucesso para o Facebook

12 abr 2012
22h24

O MySpace era a rede social mais "quente" da web logo antes do Facebook - assim como o Yahoo! era a maior busca antes do Google. Mesmo com a decadência do site - comprado pela News Corp em 2005 a US$ 580 milhões e vendido em 2011 a US$ 35 mi -, o ex-presidente de operações do MySpace, Amit Kapur, oferece dicas para que o Facebook garanta o sucesso após a abertura de capital na bolsa. A entrevista foi concedida ao Business Insider.

Ex-executivo do MySpace, Amit Kapur sugere foco no usuário, aperfeiçoamento de fotos e abertura para além dos amigos
Ex-executivo do MySpace, Amit Kapur sugere foco no usuário, aperfeiçoamento de fotos e abertura para além dos amigos
Foto: Getty Images

Kapur foi contratado quando o MySpace ainda era uma startup, saiu após a compra em 2005 e desde 2009 trabalha na Gravity, companhia que fundou e que ajuda sites a encontrar os conteúdos que interessam a seus visitantes. Para o ex-COO da ex-maior rede social da web, o Facebook corre o risco de se perder quando fizer o IPO. De experiência própria, Kapur oferece alguns conselhos - e no final dá até uma dica ao Google+.

Primeiro, Facebook, "não priorize a receita em relação à experiência do usuário. Isso vai inevitavelmente colocar a companhia no caminho errado", diz. "Sua empresa precisa ter uma visão mais longa do que chegar aos 90 dias na bolsa", completa. Kapur conta que, depois que o MySpace foi comprado, vivia "constantemente frustrado" porque "os prazos eram acertados mas os projetos ficavam sendo adiados por causa de resultados trimestrais".

Mark Zuckerberg parece estar de acordo com essa opinião. No documento enviado ao órgão regulador de empresas na bolsa, o CEO do Facebook alerta aos investidores que a rede social tem planos de valorização a longo prazo, e não de lucro em pouco tempo.

O segundo conselho do ex-COO do MySpace é que o Facebook não limite a interação de seus usuários aos amigos que eles têm no site. "Uma rede social que dura é construída em torno de utilidade", resume, destacando que a que ele criou em 2003 permitia que os usuários se expressassem. O Facebook permite que os amigos se conectem, mas não abre espaço para que os usuários mostrem suas "estrelas interiores", e por isso eles acabam buscando serviços como Tumblr, Pinterest e Twitter.

A última dica de Kapur é para que o Facebook não esqueça que o que as pessoas realmente gostam de fazer é compartilhar fotos. A companhia de Zuckerberg sabe bem disso, e a compra do Instagram nesta segunda-feira foi uma reiteração do fato. Mas o executivo do MySpace alerta que a rede social líder no mundo não vai poder comprar todas as startups que propuserem boas formas de compartilhar fotos. A empresa de Menlo Park precisa deixar as suas próprias ferramentas de compartilhamento cada vez melhores.

Google+Ao Google+, rede social concorrente do Facebook, Kapur tem um conselho conciso: parem de correr atrás do Facebook. "Como você vai competir lado a lado com o Facebook fazendo exatamente o que o Facebook faz tão bem?", justifica. Para ele, o que Google deveria fazer é justamente o que a rede social de Zuckerberg não consegue: ajudar os usuários a encontrar sua "identidade Google". Ou seja, ajudá-lo a descobrir as melhores pessoas para seguir no Plus, os melhores vídeos para ver no You Tube, as melhores notícias e assim por diante.

Fonte: Terra
publicidade