0

Petição contra lei de censura na web tem 1 mi de assinaturas

12 dez 2011
15h02
atualizado às 15h06

Um petição online promovida pela Avaaz contra o Sopa (Stop Online Piracy Act), projeto de lei do Congresso americano que prevê mais poder ao governo na retirada do ar de sites que reproduzam conteúdo não autorizado pelos autores, já teve mais de 1 milhão de assinaturas. O objetivo da Avaaz é chegar em 1,5 milhão de assinaturas. Os opositores do projeto alegam que, se aprovada, a lei vai sinalizar "o fim da internet do jeito que conhecemos".

O Sopa pretende "censurar" e punir sites que reproduzam conteúdo sem autorização
O Sopa pretende "censurar" e punir sites que reproduzam conteúdo sem autorização
Foto: AFP

O projeto de lei prevê o mesmo bloqueio usado em países como China, Síria e Irã. Ele se chama "bloqueio DNS". Caso um site seja identificado reproduzindo conteúdo que viola direitos autorais, o site identificado como reprodutor de conteúdo ilegal seria totalmente bloqueado. Com isso, o acesso dos usuários a ele seria negado. Outra consequência seria o bloqueio das contas de publicidade - que são, basicamente, o meio de subsistência desses sites.

As consequências indiretas da medida seriam que sites que se autocensuram ganhariam mais relevância na medida em que sites que não possuem esse sistema desapareceriam dos resultados das buscas online. Além disso, a medida dificultaria a criação de novas startups porque limita a criatividade.

Entre os apoiadores do projeto estão políticos norte-americanos e lobistas interessados nos direitos autorais que uma obra artística rende. No Congresso, os dois partidos - Republicano e Democrata - concordam quanto à aprovação da medida. Além disso, a lei encontra forte apoio de grandes e poderosos produtores de conteúdo nos Estados Unidos, como os estúdios de TV e, principalmente, Hollywood.

Grandes empresas de tecnologia e de internet são contra o projeto, como Google, YouTube, Facebook, Yahoo!, AOL e eBay, por exemplo. No mês passado, Apple e Microsoft também retiraram o apoio ao projeto.

Fonte: Terra

compartilhe

publicidade
publicidade