Produtor dos Jetsons: não nos considerávamos 'videntes'

16 mar 2011
13h13 atualizado às 14h51
13h13 atualizado às 14h51
Publicidade
Carla Ruas
Direto de Washington

Bob Hathcock é animador, produtor e diretor. Nascido em 1944, foi indicado a sete prêmios Emmy por trabalhos em equipe para melhor programa de animação, vencendo em 2002 com o desenho Harold and the Purple Crayon. Bob é filho de Jerry Hathcock (1911-1997), que também era animador, produtor e diretor e trabalhou entre 1934-1977 para as empresas Disney, Hanna- Barbera, Warner Brothers, Iwerks e Filmfair, entre outras. Por 17 anos ele atuou na Disney, onde animou desenhos e os filmes Peter Pan, A Dama e o Vagabundo e A Bela Adormecida. No início dos anos 60 era um dos principais animadores dos Flinstones, Space Ghost e, claro, dos Jetsons. Bob diz que os produtores da série 'futurista' não se consideravam videntes e que ele, hoje, se impressiona mais com o modo como as coisas se tornaram diferentes do que o desenho previa.

Desnho, na década de 60, imaginava como seria a vida em 2062
Desnho, na década de 60, imaginava como seria a vida em 2062
Foto: Divulgação

Para contar um pouco da história por trás dos Jetsons, Bob conversou com o Terra de sua casa na Califórnia, nos Estados Unidos. Leia a entrevista a seguir.

Seu pai era animador, e você, como entrou na profissão?
Eu era um estudante de Biologia na faculdade e queria ser veterinário. Meu pai me ensinou a ser animador-assistente (fazia limpeza e transições) e me deu alguns trabalhos quando eu estava no colégio. Como ele era um ex-animador da Disney, recebia muitos trabalhos de animação comercial e então eu tive a oportunidade de ganhar muito dinheiro para um garoto do ensino médio que trabalhava nos fins de semana.

Você terminou a faculdade?
Eu parei de estudar umas dez cadeiras antes da formatura para trabalhar para um amigo que estava em uma banda psicodélica chamada Strawberry Alarm Clock. Depois que casei, eu precisava de um emprego regular e fui trabalhar na Hanna-Barbera.

Como era o relacionamento com seu pai? E trabalhar com ele?
Eu sempre trabalhava na equipe de meu pai ou como seu assistente, e depois como animador sob sua supervisão, até que ele se aposentou (em 1977). Essa foi uma das melhores escolas de animação que eu poderia ter feito na época. Nós éramos muito próximos. Nós íamos de carro juntos para o trabalho. Ele sempre foi meu melhor amigo. Eu deveria ter perguntado mais sobre o início da sua carreira, mas tendo crescido dentro "do meio", não tinha todo este apelo para mim. Eu adorava animação e sabia desenhar, mas eu não entrei neste negócio porque eu era fã como a maioria das pessoas fazem.

E como foi trabalhar com os Jetsons?
Quando meu pai trabalhou no Jetsons, era a segunda aposta de Bill e Joe em animação no horário nobre, depois do grande sucesso dos Flintstones. O Jetsons foi considerado um fracasso. Naquela época, havia, naturalmente, apenas três redes, CBS, NBC e ABC. O Jetsons foi exibido nas noites de domingo contra o Wonderful World of Color (Disney), e o seriado televisivo Deniss The Menace (no Brasil, Pimentinha). Jetsons ficou duas temporadas em terceiro lugar e depois foi cancelado - eles não eram tão rápidos no gatilho como agora. Então, há apenas 24 episódios originais. Quando eu produzi e dirigi The New Jetsons, a intenção era fazer outros 41 episódios e assim teríamos um pacote de 65 para distribuição (eles queriam 65 shows na época para distribuição.) Eles vinham tocando a música tema do programa na rádio KROQ-FM por muitos anos e houve um culto crescente depois de sua exibição. Quando eu fiz o programa havia mais interesse publicitário do que em qualquer show que eu tenha feito. A partir de meados dos anos 80, com o início da era da informática, eu recebia telefonemas de programas de rádio sobre computadores no meio da madrugada. É que um monte de coisas dos Jetsons foi se tornando realidade - as pessoas cujo trabalho era apenas apertar um botão o dia todo, transporte de pessoas e coisas assim.

Quando você estava na escola e seu pai era um animador para os Jetsons, vocês achavam que o ano 2062 seria como era mostrado no desenho?
No final dos anos 50 e na maior parte dos anos 60 estávamos na época da corrida espacial e nós pensávamos que todas as coisas maravilhosas de que se estava ouvindo falar viriam a acontecer. Mas as coisas nem sempre acontecem como você imagina. As pessoas comuns não vislumbraram a internet do jeito que ela é e o quanto ela impactou as nossas vidas, mas achávamos que haveria aviões pessoais, edifícios flutuantes e robôs pessoais, por exemplo.

Quem pensou nos dispositivos tecnológicos a que aparecem no desenho dos Jetsons?
Eu não tenho uma resposta específica, mas foram os escritores. E eu não acho que eles pensavam em si mesmos como videntes, mas apenas estávamos tentando ser engraçados (era para ser uma espécie de Flintstones às avessas).

Como você se sente vendo a tecnologia que apareceu nos Jetsons se tornando realidade (robôs como a Rosie, videoconferência)?
Sei que as pessoas acham legal que um monte de coisas no programa se tornou realidade. Mas eu estou mais impressionado com a maneira como as coisas são diferentes do que o show tinha previsto.

Hoje em dia, como você acha que será o ano de 2062?
As maiores mudanças serão na bioengenharia e geoengenharia. Se pudermos viver para vê-las será muito legal. Mas a parte de máquinas e hardware, como os robôs, são assuntos conhecidos e que já não impressionam tanto.

Fonte: Especial para Terra
Publicidade