Internet

publicidade
02 de outubro de 2012 • 10h41 • atualizado às 11h43

Site transmite vídeos da guerra na Síria e ganha mais seguidores

Vídeos postados no Bambuser são aproveitados até por veículos de comunicação como BBC e CNN, e agências como AP e Reuters
Foto: Bambuser.com / Reprodução
 

A guerra civil da Síria tornou as tardes de sexta-feira movimentadas na sede da Bambuser, pequena startup sueca que funciona numa antiga fábrica de bicicletas, e que transmite o conflito ao vivo pela internet.

A sexta-feira é o dia das principais preces islâmicas e quando grande número de manifestantes sai das mesquitas para ocupar ruas de toda a Síria.

Na sede da Bambuser, no centro de Estocolmo, o presidente Hans Eriksson gruda no laptop, reconhecendo usuários enquanto notificações de novos vídeos piscam na sua tela.

"Esse aqui faz funerais e explosões", diz ele, apontando um usuário que acaba de publicar um novo protesto.

A Bambuser surgiu em 2007 e se popularizou no começo da Primavera Árabe, quando ganhou 10 mil vídeos em um só dia, durante a eleição parlamentar egípcia de 2011.

Não é o único site que transmite ao vivo - o ustream.tv, nos EUA, é maior e mais rico, por exemplo -, mas o Bambuser conquistou um nicho no mundo do ativismo.

Especialistas dizem que sua simplicidade, sua capacidade de funcionar com conexões ruins e a enorme variedade de celulares fez desse site, na prática, o maior reduto de ativistas do Oriente Médio.

Alguns dos seus vídeos da Síria são aproveitados por meios de comunicação como BBC, CNN, Associated Press e Reuters. A Al Jazeera diz acompanhar o Bambuser para se manter atualizada sobre os acontecimentos na Síria, onde o regime do presidente Bashar al-Assad restringe fortemente o trabalho da imprensa internacional.

Eriksson trabalha numa mesa atulhada com latas de tabaco, um chapéu típico egípcio e um exemplar da revista Wired que traz na capa Mark Zuckerberg, o executivo-chefe do Facebook. Ele mantém contato constante com os usuários sírios, ajudando-os a carregar os vídeos e a promover os vídeos para outros veículos e pelo Twitter.

Ele conta sobre um ativista, de apelido "homslive", que meses atrás usou o Bambuser para transmitir imagens captadas da laje da sua casa, mostrando um ataque de morteiros em Homs.

"Ele apareceu on-line e me disse: 'Vou ficar aqui'. Eu disse: 'Você vai ser morto'. Ele disse: 'Bom, não vou sair. Vou mostrar ao mundo o que acontece'."

O vídeo, segundo Eriksson, foi exibido 600 vezes em 80 redes de TV.

Ativistas da Rússia, da Espanha e dos EUA também usam o serviço, que recentemente exibia simultaneamente os conflitos na Síria e imagens do exterior da embaixada do Equador em Londres, onde há meses está refugiado o fundador do WikiLeaks, Julian Assange.

A empresa, com 12 funcionários que se descrevem como "ninjas", segue os passos de outras estrelas nórdicas da internet, como Skype e Spotify.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.