Negócios e TI

publicidade
22 de maio de 2012 • 11h34 • atualizado às 20h34

Ação do Facebook fecha com nova queda e acumula perda de 18,4%

Companhia estreou na bolsa de valores na sexta-feira
Foto: Reuters
 

A ações do Facebook encerraram o terceiro dia de negociações com queda de 8,9%, a US$ 31, depois que dois dos principais reguladores financeiros dos Estados Unidos exigiram uma avaliação das circunstâncias em torno de sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), na semana passada. Os pedidos de avaliação, pela presidente da Securities and Exchange Commission, Mary Shapiro, e pelo presidente do FINRA, Rick Ketchum, somaram-se à pressão sobre a empresa, seus subscritores e Nasdaq, já que todos foram acusados pela estreia caótica do papel e sua subsequente queda.

Com esse preço, a empresa perdeu cerca de US$ 17 bilhões em capitalização de mercado ante o valor inicial de US$ 38 por ação na oferta de sexta-feira Com as ações do Facebook tendo atividade intensa de liquidação, investidores têm buscado quase qualquer instrumento relacionado para apostar contra a rede social.

Ao longo das últimas três sessões, os preços de dois fundos que controlavam ações pré-IPO despencaram. O Firsthand Technology Value Fund e o GSV Capital Corp caíram mais de 25%, embora seus ativos do Facebook sejam equivalentes a uma parcela pequena de seu portfólio.

As ações do Facebook abriram o dia já em queda, com papéis negociados a US$ 32,59, 4,23% abaixo do fechamento da segunda-feira e acumulando uma perda de 14,23% com relação a sexta-feira.

Investidores estão questionando o valor dos papéis após a Reuters ter noticiado que bancos coordenadores cortaram suas previsões de receita para a companhia pouco antes da oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da rede social.

"Essas alegações (repercutidas pela Reuters), se forem verdadeiras, são uma questão de preocupação regulatória", disse Ketchum, da FINRA, à agência. Mary Schapiro, da SEC, disse que "há muitas razões para ter confiança em nossos mercados e na integridade em que eles operam, mas há questões que precisamos observar que dizem respeito ao Facebook".

Histórico

Na segunda-feira, as ações do Facebook despencaram 10,94%. Apesar do fraco desempenho da rede social, os papéis do setor de tecnologia estiveram entre as ações de melhor performance, com o índice relativo à área do S&P 500 subindo 2,8% por conta da força da Apple, que também impulsionou o Nasdaq a seu maior ganho percentual diário desde dezembro de 2011. A ação da Apple disparou 5,8%.

O crescimento da receita do Facebook tem desacelerado nos trimestres recentes, elevando alertas entre aqueles que acreditam que a companhia deveria mostrar avanço consistente de faturamento nesta etapa de sua existência.

A empresa surpreendeu investidores ao revelar, dias antes do IPO, que sua receita pode ser prejudicada com mais usuários migrando para dispositivos móveis, onde anúncios publicitários enfrentam mais resistência. Isso levou a equipe de análise do Morgan Stanley a cortar suas projeções de receita para o Facebook.

O preço atual das ações do Facebook implica em taxas de crescimento anuais bastante elevadas. Se na próxima década a receita da empresa crescer cerca de 10,8% ao ano, o preço justo da ação do Facebook seria de US$ 9,59, menos de um terço do valor atual, segundo a Thomson Reuters Starmine.

Com informações da Reuters

Terra Terra