0

Facebook atinge 901 milhões de usuários; 45 mi são brasileiros

23 abr 2012
16h35
atualizado às 18h25
  • separator

O Facebook superou atingiu 901 milhões de usuários no fim de março, mas viu seu lucro e sua receita caírem do fim do ano passado para o primeiro trimestre deste ano. Segundo um documento enviado à Securities and Exchange Comission (SEC), comissão reguladora do mercado de capitais dos EUA, a rede social teve uma receita de US$ 1,06 bilhão no último trimestre, uma queda em relação ao 1,131 bilhão do trimestre anterior.

Rede social tem mais de 45 milhões de usuários ativos no Brasil
Rede social tem mais de 45 milhões de usuários ativos no Brasil
Foto: Getty Images

O lucro caiu para US$ 205 milhões, ante US$ 233 milhões no mesmo período no ano passado, de acordo com o documento. O Facebook contratou mais de mil funcionários no ano terminado em março, levando seu contingente total a 3.539.

O número de usuários brasileiros cresceu 180% em um ano, chegando à marca de 45 milhões em 31 de março de 2012. Neste período cresceu também a penetração do uso do serviço entre a população: o Facebook acredita que a rede social seja usada por 30% a 40% da população.

Além disso, o Facebook ampliou de 845 milhões para 901 milhões o número de usuários ativos da rede social. A rede afimrou também que mais de 300 milhões de fotos são postadas diariamente no serviço, que tem 3,2 bilhões de cliques em curtir e comentários por dia e mais de 125 bilhões de conexões de amizade.

Compra do Instagram
O Facebook comprou o Instagram com US$ 300 milhões em dinheiro e 23 milhões de ações da companhia, segundo um documento divulgado pela empresa nesta segunda-feira. O Facebook lançou uma atualização da documentação exigida para sua oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), adicionando informações financeiras do primeiro trimestre.

No documento, o Facebook afirma que "como parte de nossa estratégia de negócio, temos feito e pretendemos fazer aquisições para adicionar funcionários especializados, empresas complementares, produtos ou tecnologias", citando como exemplo a compra do Instagram. A companhia se comprometeu a pagar US$ 200 milhões de indenização caso a fusão não se concretize até dezembro deste ano, diz o .

"Pretendemos manter os produtos do Instagram como aplicações móveis independentes para melhorar a nossa oferta de produtos de fotos e para permitir aos usuários aumentarem os seus níveis de envolvimento móvel e compartilhamento de imagens", diz o documento, apontando os planos para o aplicativo.

Veja também:

Como a Tesla fez de Musk a 2ª pessoa mais rica do mundo
Fonte: Terra
publicidade