3 eventos ao vivo

Facebook estreia na Bolsa e recebe processo de US$ 15 bilhões

18 mai 2012
15h11
atualizado às 15h24

Enquanto a maior parte dos funcionários do Facebook comemora a estreia da rede social na bolsa de Nasdaq, nesta sexta-feira, o departamento jurídico da companhia de Mark Zuckerberg se prepara para encarar um processo de US$ 15 bilhões por rastreamento de usuários, aberta também nesta véspera de final de semana, em São Jose, na Califórnia. A ação é coletiva e combina mais de 20 casos semelhantes de diferentes locais dos Estados Unidos, segundo o Mashable, que cita informações da Bloomberg.

Ação coletiva acusa maior rede social do mundo de rastrear usuários através do botão "curtir"
Ação coletiva acusa maior rede social do mundo de rastrear usuários através do botão "curtir"
Foto: AP

Infográfico: Em números, veja o império formado pelo Facebook
Infográfico: Compare o IPO do Facebook com o do Google, Microsoft, Apple e mais

A acusação é de que o Facebook estaria violando a privacidade de seus usuários aos seguir os "passos online" das pessoas, o que seria possível graças aos botões "curtir" espalhados por sites externos na web. "Esta não é apenas uma ação de danos, mas um caso revolucionário de direito à privacidade na internet, que poderia ter implicações grandes e significativas tanto legais quanto para as empresas", afirmou um dos sócios da Stewarts Law US LPP, uma das companhias que lidera o processo, à Bloomberg.

A argumentação do caso é de que o suposto rastreamento dos usuários por parte do Facebook viola o Ato contra Escutas (Wiretap Act) americano, que proíbe "a interceptação e a divulgação de escutas, comunicações orais ou (conversas) eletrônicas". A lei, segundo o texto do processo, "prevê danos de US$ 100 por violação por dia, até US$ 10 mil por usuário do Facebook", matemática que leva aos US$ 15 bilhões, considerando um total de 800 milhões de usuários - a rede tem mais de 900 milhões atualmente.

A ação coletiva é resultado de uma decisão de um colegiado californiano, que decidiu que múltiplos processos deveriam ser unidos e julgados na terra natal do Facebook. Segundo o porta-voz da Stewarts, a companhia está tentando incrementar o caso com reclamações de outros países.

Fonte: Terra

compartilhe

publicidade