Negócios e TI

publicidade
27 de abril de 2012 • 17h36

Google aceita multa mas reclama em carta de 14 páginas

Órgão americano multou gigante de buscas em US$ 25 mil por supostamente atrasar investigação sobre Street View
Foto: AFP
 

O Google aceitou pagar a multa de US$ 25 mil que a Federal Communications Commission (FCC), órgão que regula a área de telecomunicações nos EUA, determinou, alegando que o gigante das buscas atrasou as investigações sobre a coleta de informações pessoais de redes Wi-Fi pelos carros do Street View. Mas o aceite da companhia de Mountain View foi acompanhado de uma carta de 14 páginas reclamando sobre o processo.

Na carta, enviada na quinta-feira, o Google diz que a investigação do caso teria durado muito menos do que 17 meses (tempo que levou) se a FCC não tivesse se demorado. A companhia disse que em alguns momentos o órgão levou 12 semanas para responder a informações que o gigante de buscas havia enviado. Os atrasos da agência, segundo a carta, eram tão grandes e frequentes, que o prazo legal para a conclusão da investigação teria encerrado sem que ela estivesse concluída, não fosse o fato de o Google ter aceitado uma extensão de sete meses.

"Isso não é uma atitude de quem está apedrejando uma investigação", afirmou o advogado de Mountain View, E. Ashton Johnston, na carta endereçada a P. Michele Ellison, chefe do escritório da FCC. "Ao contrário, é uma demonstração do interesse do Google em cooperar e permitir que a FCC tivesse tempo de conduzir uma investigação completa", continua.

A porta-voz da FCC Tammy Sun disse que a agência confia no trabalho de seus funcionários. "Ao aceitar pagar a penalidade imposta pelo escritório (da FCC), a companhia admitiu, como deveria, que fez errado", afirmou Sun sobre o Google.

Em um comunicado nesta semana sobre a contratação de um advogado externo para investigar o Google em um processo antitruste, a FCC também comentou o caso Street View, e disse que ainda tem perguntas significativas para fazer ao Google sobre a coleta indevida de dados via sistemas Wi-Fi. O órgão disse que não conseguiu todas as respostas que esperava do gigante de buscas.

A companhia de Mountain View negou que não tenha cooperado inteiramente com a FCC. Na carta enviada à agência, a empresa lembrou que entregou mais de 800 páginas de informações, revisando mais de 500 mil documentos, para satisfazer às varias demandas durante a investigação. O Google também revelou, pela primeira vez, que colaborou com o Departamento de Justiça americano durante o processo.

Por fim, o Google reforçou que os dados recolhidos via Wi-Fi não constituem uma base ilegal de informações, embora a empresa nunca tivesse tido a intenção de recolhê-los. A carta reitera que o problema ocorreu por causa de um engenheiro da empresa que instalou um programa para ajudar a mapear as fotos do Street View.

A FCC disse que intimou um engenheiro do Google, não identificado, mas que o funcionário invocou a Quinta Emenda da constituição americana que lhe dá o direito de não criar provas contra si mesmo. Apesar da multa aplicada, a FCC inocentou o Google de qualquer prática ilegal.

Com informações da AP.

Terra Terra